Cadastre seu e-mail:

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

A providência de Deus

Costuma-se dizer que o nome de Deus não aparece no livro de Ester.

A presença de Deus é mais importante que a simples menção de seu nome. Deus está presente na história do povo judeu no livro que tem o nome de uma plebéia estrangeira que se tornou esposa do rei Assuero, cujo império tinha cento e vinte e sete províncias.

Há um detalhe muito significativo no primeiro versículo do capítulo três de Ester: “Depois destas coisas, o rei Assuero engrandeceu a Hamã, e o exaltou, e lhe pôs o trono acima de todos os príncipes que estavam com ele”. O texto diz que Assuero engrandeceu a Hamã depois de ter engrandecido a Ester, fazendo-a rainha e dando-lhe uma coroa, apesar de sua condição humilde (a moça era uma exilada que perdera os pais na infância e fora criada pelo primo Mordecai). Embora os dois livros anteriores — Esdras e Neemias — falem muito sobre casamentos mistos, de judeus com não-judeus, tem-se como providencial o casamento da jovem judia com o monarca gentio. Era Deus agindo soberanamente. Além de casar-se com Ester, Assuero a amou “mais do que a todas as mulheres, e ela alcançou perante ele favor e benevolência mais do que todas as virgens” (Et 2.17). Estava, então, muito bem montada a providência por meio da qual Deus iria resguardar o seu povo de uma tragédia coletiva pior que o Holocausto imposto pelo nazismo durante a Segunda Grande Guerra.

Porque o primo de Ester não se inclinava nem se prostrava diante do vaidoso Hamã, este arquitetou o plano de mandar matar de vez todos os judeus, moços e velhos, crianças e mulheres, e de lhes saquear os bens, em todas as cento e vinte e sete províncias do vasto império, em um único dia, sob a alegação de que eles tinham leis diferentes das leis de todos os povos (Et 3.13). Convencido pelo astuto Hamã, Assuero deu o seu aval e ainda lhe emprestou o seu anel-sinete, no qual havia gravações em alto-relevo para carimbar documentos oficiais (Et 3.10).

O plano diabólico de Hamã daria certo se antes Deus não tivesse colocado uma judia ao lado do rei. Graças à corajosa e inteligente atuação da rainha Ester, o projeto fracassou e os milhares de judeus espalhados pelo império medo-persa foram poupados, apesar do decreto real e de todas as medidas tomadas.

O Deus cujo nome não aparece em Ester é um Deus providente, que age antes dos homens e antes da história. Acreditar neste Deus traz segurança, seja qual for a circunstância contrária. A própria salvação do homem, por meio do sacrifício vicário de Jesus Cristo, foi elaborada antes da queda do gênero humano, antes mesmo da fundação do mundo, embora manifesta muito depois (1 Pe 1.17-21).

>> Retirado de “Pastorais para o Terceiro Milênio” (Elben César). Editora Ultimato, 2000.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

O que o poder de Deus é capaz de realizar?

Leia o testemunho de Kun-So, cristã norte-coreana:

Meu nome é Kun-So, sou colaboradora da Portas Abertas Internacional. Trabalho na China, perto da fronteira com a Coréia do Norte, recebendo e abrigando refugiados norte-coreanos que fogem para a China atrás de alimento e sustento.

As horríveis condições de vida na Coréia do Norte levam muitas pessoas a fugir para a China, a fim de conseguir dinheiro e comida para levar de volta para a casa. A maioria desses fugitivos é mulher, mães desesperadas para sustentar os filhos que lá ficaram. Muitas dessas mulheres são enganadas e vendidas como esposas, escravas, prostitutas- qualquer coisa - a alguns chineses com bastante dinheiro e nenhum respeito pelo ser humano.

A situação em que as encontramos é lamentável, impossível de descrever. Uma história que me impressionou foi a de Moon. Ela se casou com um chinês bonzinho e ficou grávida. As vésperas do parto, suas cunhadas descobriram que ela era norte-coreana, então a arrastaram para uma clínica de aborto. Moon conta que um médico introduziu uma longa agulha em sua barriga. Seu bebê se agitava muito e, aos poucos, foi parando de se mexer. No dia seguinte, ela deu a luz ao bebê sem vida.

Temos de ser sábias e estratégicas. Ouvimos a história dessas mulheres, damos ajuda financeira a elas e lemos a Bíblia. Quanto mais confiam em nós, mais abertas ficam à Palavra de Deus. Pode parecer um trabalho pequeno, ouvir essas mulheres contarem suas histórias dolorosas e, em troca dar uma ajuda e ler a Bíblia. Mas não é.

O evangelho é poder de Deus para a salvação de qualquer um que crer, diz Romanos 1. Nós, da Portas Abertas, cremos no poder da Palavra de Deus. Todo ano, vemos milhares de vidas transformadas.

O poder de Deus transformou a vida de Moon. O que lhe fizeram foi mesmo cruel, mas não é isso que mais me chama a atenção. É o fato de ela ter escolhido viver com sua família chinesa e demonstrar o amor de Jesus a eles, apesar do que lhe fizeram. Só a Palavra de Deus pode operar isso.

Não existe nada que possa resistir ao poder de Deus. E é por isso que faço esse trabalho. Porque acredito que quando a Coréia do Norte se abrir, essas mulheres voltarão para casa e falarão do poder que transformou a vida delas.

Kun-So
(Colaboradora da Portas Abertas Internacional na China)

Fonte: Livreto "30 dias e oração pela Coréia do Norte", produzido pela Portas Abertas / Baixe o Livreto: https://docs.google.com/file/d/0B-o2g-6G6uA5SGVpbWJQem0yYlU/edit

domingo, 2 de dezembro de 2012

O precursor do Salvador

“Houve um homem enviado por 
Deus cujo nome era João.”
 [Jo 1.6]

O mesmo anjo Gabriel que anunciou a Maria o nascimento de Jesus, anunciou a Zacarias o nascimento de João. Se Maria era uma jovem virgem, Isabel, mãe de João Batista, era uma mulher estéril e avançada em idade. Se o anjo parece ter chegado cedo demais a Maria, pois esta era virgem, e ainda não estava casada com José, parece que chegou atrasado a Isabel, pois esta era velha e não podia mais conceber. Tanto o nascimento de Jesus como o nascimento de João foram milagres de Deus.

João Batista foi levantado por Deus para ser o precursor do Messias. Ele não era o Cristo nem mesmo sentia-se digno de desatar-lhe as correias das sandálias. No entanto, Jesus disse que nenhum homem na terra era maior do que ele. João Batista foi um homem humilde, corajoso e cheio do Espírito. Seu nascimento foi um milagre, sua vida foi um exemplo e sua morte foi um testemunho. João Batista preparou o caminho do Senhor proclamando uma mensagem de arrependimento. Pregou no deserto, confrontou a multidão, repreendeu o rei e apresentou Jesus como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

Oremos assim:
"Amado Pai, sei que preciso ser mais corajoso em assumir uma postura firme diante do desafio de proclamar Cristo e viver para ele. Perdoa-me e renova meu coração. Nele eu peço. Amém."

Fonte: http://www.lpc.org.br/cada-dia

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Como está o seu casamento?

Por: Max Lucado

“Quando você fizer um voto, cumpra-o sem demora, pois os tolos desagradam a Deus; cumpra o seu voto”. [Eclesiastes 5:4]

Como está o seu casamento?

Considere-o o seu violoncelo Testore! Este instrumento finamente construído e raramente visto alcançou a categoria de raridade - quase inestimável; poucos músicos têm o privilégio de tocar um Testore, menos ainda podem possuir um.

No dia do seu casamento, Deus emprestou para você a sua obra de arte, uma obra-prima primorosamente trabalhada e precisamente formada. Ele confiou a você uma criação única.

Valorize-a. Honre-o. Tendo sido abençoado com um Testore, por que brincar com outra pessoa?

Davi não entendeu isso. Ele colecionava esposas como troféus. Ele via as esposas como um meio para o seu prazer, não como parte do plano de Deus. Não cometa o erro dele.

Seja impetuosamente fiel a um cônjuge. Impetuosamente fiel.

Nem mesmo olhe duas vezes para outra pessoa. Sem paquera. Sem provocação. Sem ociosidade na mesa dela.

Quem se importa se você for tido como rude ou puritano?

Você fez uma promessa. Cumpra-a!

Notas:
Traduzido por Cynthia Rosa de Andrade Marques Almeida
Texto original extraído do site www.maxlucado.com

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Culto de Integração: "Deus é o nosso refúgio"

“Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia”. [Salmos 46:1]

Firmados nessa declaração esperançosa do salmista, nos reunimos no dia 03/11 para celebrar o nosso Deus, que é refúgio certo na hora certa! Foi um momento único de adoração, comunhão e Palavra (esses são os pilares do Culto de Integração que o Ministério da Consolidação da AD Bonsucesso promove sempre no 1º sábado de cada mês).

Tivemos a participação do Pr. Anderson Reis Barbosa (AD Madureira) trazendo a Palavra nesse dia. Eis alguns trechos impactantes:

“Quem conhece a Deus transforma as tribulações e aflições em música. Só quem tem uma fé firmada em Deus consegue se aquietar em momentos de tribulação.”

“Quando as circunstâncias são favoráveis não precisamos de fé. A fé se apresenta nas adversidades.”

“O nada é matéria-prima para Deus. De repente não vemos nada acontecendo em nossa vida, mas Deus pode mudar e transformar tudo!”

“Existem momentos na nossa vida que precisamos de um refúgio, algo urgente e emergencial. Deus é refúgio pra nós! Mas Deus também é fortaleza; Ele vem em nosso socorro.”

“Podemos estar vivendo uma pausa, onde não ouvimos a voz de Deus, mas a música vai voltar a tocar na nossa vida!”

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Não se Contente com sua Pregação Medíocre

Por: Paul Tripp

"Nosso evangelho não chegou até vós tão-somente em palavra, mas, sobretudo, em poder, no Espírito Santo e em plena convicção." [1 Tessalonicenses 1.5]

Quero examinar um lugar onde há demasiada mediocridade na igreja de Jesus Cristo: a pregação. Por cerca de 40 finais de semana por ano eu estou com alguma parte do corpo de Cristo em algum lugar do mundo. Muitas vezes, não sou capaz de sair no sábado e, por isso, vou assistir ao culto da congregação local (quando não estou programado para pregar). O que estou prestes a dizer provavelmente vai me encrencar, mas estou convencido de que precisa ser dito. Estou triste e angustiado por dizer isso, mas já estou cansado de ouvir palestras teológicas chatas e mal preparadas, dadas por pregadores não inspirados, lendo manuscritos, e tudo isso feito em nome da pregação bíblica.

Não estou surpreso que as mentes das pessoas divaguem. Eu não estou surpreso que as pessoas têm lutado para se manter atentas e despertas. Estou surpreso que mais não têm. Eles têm sido ensinados por alguém que não trouxe as armas apropriadas para o púlpito, a fim de lutar por eles e com eles. A pregação é mais do que regurgitar seu comentário exegético favorito, reformular os sermões de seus pregadores favoritos, ou remodelar as notas de uma de suas aulas favoritas do seminário. É trazer as verdades transformadoras do Evangelho de Jesus Cristo de uma passagem que foi devidamente compreendida, convincentemente e praticamente aplicada, e entregue com a ternura envolvente e a paixão de uma pessoa que foi quebrantada e restaurada pelas verdades que ela irá comunicar. Você simplesmente não pode fazer isso sem a devida preparação, meditação, confissão e adoração.

Simplesmente não dá para você começar a pensar em uma passagem pela primeira vez no sábado à tarde ou à noite e dar o tipo de atenção que ela precisa. Você não será capaz de compreender a passagem, de ser pessoalmente afetado e de estar preparado para dá-la aos outros de uma forma que contribua à contínua transformação deles. Como pastores, temos que lutar pela santidade da pregação, ou ninguém mais o fará. Temos que exigir que os afazeres do nosso trabalho permitam o tempo necessário para se preparar bem. Temos que arranjar tempo em nossas programações para fazer o que for necessário para cada um de nós, considerando nossos dons e nossa maturidade, estejamos preparados como porta-vozes para nosso Rei Salvador. Não podemos acomodar com padrões que denigram a pregação e degradem a nossa capacidade de representar um Deus glorioso de uma graça gloriosa. Não podemos nos permitir estarmos muito ocupados e distraídos. Não podemos estabelecer padrões baixos para nós mesmos e para aqueles a quem servimos. Não podemos nos desculpar e acomodar. Não podemos nos permitir espremer mil reais em preparação em poucos centavos de tempo. Não devemos perder de vista Aquele que é Excelente e a excelente graça que fomos chamados para representar. Não podemos, porque estamos despreparados, deixar Seu esplendor parecer chato e sua maravilhosa graça, ordinária.

A cultura e disciplina que envolve a nossa pregação sempre revelam o verdadeiro caráter de nossos corações. É exatamente aí que a confissão e o arrependimento precisam acontecer. Não podemos culpar as exigências de nosso trabalho ou nossa ocupação. Não podemos apontar o dedo para as coisas inesperadas que aparecem no calendário de cada pastor. Não podemos culpar as demandas da família. Temos que humildemente confessar que a nossa pregação é medíocre e que não está subindo ao patamar para o qual fomos chamados. Nós somos o problema. O problema é que perdemos a nossa admiração, e com essa perda nos acomodamos em apresentar a excelência de Deus de uma forma que não é nada excelente. Qualquer forma de mediocridade no ministério é sempre um problema do coração. Se isso o descreve, então corra ao seu Salvador em humilde confissão e abrace a graça que tem o poder de resgatá-lo de si mesmo, e, ao fazer isso, restaurar a sua admiração.

Fonte: Editora Fiel

sábado, 27 de outubro de 2012

Refúgio - Parte 2

"Porque foste a fortaleza do pobre, e a fortaleza do necessitado, na sua angústia; refúgio contra a tempestade, e sombra contra o calor. Eis que reinará um rei com justiça, e dominarão os príncipes segundo o juízo. E será aquele homem como um esconderijo contra o vento, e um refúgio contra a tempestade, como ribeiros de águas em lugares secos, e como a sombra de uma grande rocha em terra sedenta." [Isaías 25:4; 32:1-2].

Alpinistas conhecem os benefícios de um refúgio, por mais tosco que seja, quando tempestades irrompem inesperadamente. E os habitantes de áreas desérticas quando assolados por tempestades de areia? Esses povos compreendiam perfeitamente a imagem usada na profecia acima.

A aplicação profética se refere aos eventos apocalípticos dos últimos dias. Mas existe também uma aplicação atual para os que enfrentam sofrimentos. Saber que o Senhor Jesus Cristo está perto é o que segura e sustenta os redimidos quando passam por tribulações. O Salmo 121 afirma: "O Senhor te guardará de todo o mal; guardará a tua alma" (v. 7).

Um refúgio é o melhor lugar para se estar quando a tempestade desaba. Um lugar de sombra em dias de sol escaldante e ribeiros em terras secas também. Durante nossa vida experimentamos não apenas grandes chuvas, mas pequenos e constantes problemas e preocupações, que nos pressionam ainda mais em tempos difíceis, colocando sobre nossas costas um peso esmagador. Às vezes não nos causam dores intensas, mas esgotam nossas forças e nos desen­corajam. Mas Jesus está sempre presente para proteger o coração dos Seus. Ele é a Sombra à nossa direita (Salmo 121:5).

Fonte: Devocional Boa Semente 2010

sábado, 20 de outubro de 2012

Refúgio

“Para que fuja para ali o homicida… para que vos sirvam de refúgio contra o vingador do sangue”. [Josué 20.3]

As cidades de refúgio foram dispostas de tal modo que uma pessoa poderia chegar a qualquer delas com uma jornada de meio dia. De modo semelhante, a Palavra da Salvação está bem próxima de nós. O Senhor Jesus é um Salvador bem presente, e a distância para chegarmos a Ele é pequeníssima. É necessário apenas que abandonemos nossos próprios méritos e nos apropriemos de Jesus, para que Ele seja o nosso tudo.

As estradas que conduziam às cidades de refúgio eram estritamente preservadas. Todos os rios tinham pontes, e todos os obstáculos eram removidos, de modo que o fugitivo tivesse acesso fácil à cidade. Uma vez por ano, os anciãos do povo caminhavam por essas estradas e verificavam suas condições. Eles se asseguravam de que nada impediria a fuga de alguém e o levaria a ser apanhado e morto pelo vingador de sangue.

Quão graciosamente as promessas do evangelho removem os obstáculos do caminho! Onde havia bifurcações e desvios, ali havia placas com avisos escritos: “Direção Para a Cidade de Refúgio”. Isto é uma figura do caminho que conduz a Cristo. Este caminho não é a estrada circular da lei; não envolve obediência a regras intermináveis. É uma estrada reta: “Creia e viva!” É uma estrada tão árdua que nenhum homem cheio de justiça própria pode andar por ela.

Apesar disso, é um caminho tão fácil que qualquer pecador pode, seguindo-o, encontrar o caminho para o céu. Logo que o homicida alcançava os arredores da cidade, ele estava seguro. Não era necessário que ele passasse pelos muros da cidade. Somente os subúrbios já eram suficientes para a proteção dele. Se você tão-somente tocar as orlas das vestes de Cristo, ficará completamente são (ver Mateus 9.20-22). Se você se apropriar dEle com fé “como um grão de mostarda” (Mateus 17.20), estará seguro.

Por: C.H. Spurgeon | Fontes: www.charleshaddonspurgeon.com / www.ipssp.org.br

sábado, 13 de outubro de 2012

Potes Rachados

Por: Joyce Meyer

"Possuímos este tesouro precioso [a Luz divina do Evangelho] em [frágeis, humanos] vasos de barro, para mostrar que este poder que a tudo excede provém de Deus, e não de nós." [2 Coríntios 4:7]

Deus trabalha através de vasos de barro, ou o que muitas vezes eu chamo de "potes rachados". Isto significa que somos falhos, por isso quando as pessoas olham para nós e veem coisas incríveis acontecendo, elas sabem que deve ser Deus atuando, pois certamente não poderia ser a gente. Eu acredito que alguém que realmente me conhece não tem dificuldades em perceber que o trabalho que estou fazendo na terra hoje, certamente deve ser Deus atuando em e através de mim. Eles dão a Ele a glória, e não a mim, porque eles veem as minhas imperfeições e conhecem as minhas limitações. Deus escolhe as coisas fracas e tolas de propósito para que nenhum mortal venha a ter pretensão de glória em Sua presença (I Coríntios 1:27-29).

Imagine um pote com uma lâmpada dentro e uma tampa sobre ele. Mesmo que possa ser preenchido com luz, ninguém pode ver a luz dentro dele. No entanto, se o pote está rachado, a luz vai brilhar através das rachaduras. Da mesma forma, Deus trabalha através de nossas imperfeições.

Você pode amar um pote rachado? Deus pode! É divino amar-se de uma forma equilibrada e saudável. Não é de Deus rejeitar e desprezar a si mesmo.

Oração: "Senhor, Você e eu somos bem conscientes das minhas imperfeições. Peço-Lhe que brilhe a luz através da minha vida, e saiba que você ganha cada grama de glória por isso. Amém."

Tradução: Thaísa Sterque / From the book The Confident Woman Devotional: 365 Daily Devotions by Joyce Meyer. Copyright © 2011 by Joyce Meyer. Published by FaithWords. All rights reserved.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Céu aberto

Céu aberto pode significar um céu sem nuvens, muito ensolarado, claro e bonito. Pode significar também muita chuva, quando Deus abre as comportas do céu e derrama água sobre a terra, como aconteceu na época do dilúvio (Gn 7.11).

Mas quando Jesus disse a Natanael que ele veria “o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem” (Jo 1.51), o significado de céu aberto é outro, muito diferente do primeiro. Nesse sentido espiritual, céu aberto significa a ruptura daquele véu que separava o santuário do lugar santíssimo, que separava o homem pecador do Deus santo.

Céu aberto é algo inédito e maravilhoso. É o resultado imediato e visível da expiação realizada pelo Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo 1.29). Quando Jesus derramou a sua alma na morte, “o véu do santuário se rasgou em duas partes de alto a baixo” (Mt 27.51), deixando-nos ver o que estava do outro lado, o trono do Deus Altíssimo. Porque o céu está aberto, podemos nos aproximar de Deus pelo novo e vivo caminho aberto por Jesus Cristo (Hb 10.20).

Céu aberto significa proximidade, significa união, significa comunhão. Não há mais separação entre Deus e o homem. Embora ainda envolto em glória e santidade, Deus aparece, Deus se mostra, Deus se apresenta. Embora ainda envolto em fraqueza e pecado, o homem entra no Santo dos Santos para se confessar, para obter perdão, para ser purificado, para alcançar a maturidade e atingir a medida da plenitude de Cristo (Ef 4.13).

Céu aberto significa chuvas de bênçãos, que escorrem de lá para cá de forma contínua, inundando a alma. É o contrário de céu cerrado, de céu sem chuvas, de céu sem bênçãos, em tempo de desobediência e pecado (2 Cr 6.26).

Jacó sonhou com o céu aberto, com uma escada cujo pé estava na terra e cujo topo estava no céu, na qual os anjos subiam e desciam (Gn 28.12). Mas era apenas sonho, nada mais além de sonho. Todavia, no caso de Estêvão, ele veria o céu aberto acordado e não dormindo. Jesus transformou o sonho de Jacó em realidade para todos os que crêem.

>>> Retirado de Pastorais Para o Terceiro Milênio (Editora Ultimato)

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Sem sentimentos produzidos artificialmente

Alguns escritores usam a palavra caridade para descrever não apenas o amor cristão entre seres humanos, mas também o amor de Deus pelo homem e o amor do homem por Deus. As pessoas muitas vezes ficam preocupadas em relação ao segundo deles, pois somos ordenados a amar Deus. Elas não conseguem descobrir nenhum sentimento desse tipo em si mesmas. Então o que fazer? A resposta continua a mesma. Aja como se você amasse. Não fique aí sentado, tentando fabricar sentimentos artificialmente. Pergunte-se a si mesmo: “Se eu tivesse certeza de que amo a Deus, o que eu faria?”. Quando você descobrir a resposta, vá e faça.

De uma maneira geral, o amor de Deus por nós é um assunto muito mais seguro para se pensar do que o nosso amor por ele.

Ninguém é capaz de cultivar sentimentos de devoção sempre; e, mesmo se fôssemos, é preciso considerar que os sentimentos não são a preocupação principal de Deus. O amor cristão, tanto em relação a Deus quanto em relação ao homem, é uma questão de vontade. Se nós quisermos fazer a vontade dele, teremos de obedecer ao mandamento: “Amarás ao Senhor teu Deus”. Ele nos dará sentimentos de amor se isso for do agrado dele. Nós não somos capazes de criá-los por nós mesmos e não devemos exigi-los por direito. Porém, a grande coisa a lembrar é que, embora os nossos sentimentos sejam inconstantes, seu amor por nós não o é.

Ele não se exaure por causa dos nossos pecados ou da nossa indiferença; consequentemente, o amor de Deus é bastante inflexível em sua determinação de que sejamos curados desses pecados, custe o que custar para nós e para ele.

– de Mere Christianity [Cristianismo Puro e Simples]

>>> Retirado de Um Ano com C. S. Lewis, edição de bolso (Editora Ultimato, 2009)

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Um convite e uma promessa

“Se alguém tem sede, venha a mim e beba.” 
[João 7.37]

Na festa dos Tabernáculos Jesus clamou ao povo sedento: “Se alguém tem sede venha a mim e beba, quem crer em mim conforme diz a Escritura, rios de água viva fluirão do seu interior”. Esse convite é dirigido também a você. Há uma sede em seu coração que o dinheiro, o sexo e o poder não podem satisfazer.

Deus colocou a eternidade no seu coração e nada daquilo que é terreno pode satisfazer sua alma. Esse convite é para um relacionamento pessoal com Jesus. Não basta ouvir falar de Jesus, é preciso vir a Jesus. Não basta saber que a água é boa; é preciso beber dessa água. Jesus o convida a crer nele não de acordo com o que dizem os homens, com as suas conveniências, mas como diz a Escritura. Jesus promete uma vida pura, abundante e feliz.

Se agora mesmo você colocar sua confiança em Jesus, terá dentro uma fonte que vai jorrar para a vida eterna. Haverá abundância de paz em sua alma. Haverá uma alegria indizível em seu coração. Haverá uma vida maiúscula à sua disposição. Corra agora mesmo para os braços de Deus e beba da água da vida.

ORE: "Deus de imensa graça, dessedenta a minha alma cansada. Dá o alívio necessário ao meu coração árido! Preciso de teu socorro. Eu quero experimentar da tua água. Em nome de Jesus. Amém.
"

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Irreversível

Por: Mário Fernandez

“Porque os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis.” [Romanos 11:29]

Deus é tão bom que eu tenho de ficar admirado dentro de mim. Eu não mereço o feijão que como nem a sombra que faço. Sou humano, sou falho, tenho limitações incontáveis e ainda assim Ele me ama, cuida de mim, investe em mim e se dispõe a me usar para Ele. É puramente por amor, pois minha natureza humana é carnal e portanto não serve para Deus. Por isso, Ele me mandou o Seu Espírito Santo que me aperfeiçoa, me ensina, me faz lembrar de tudo quando Jesus ensinou e me convence do meu pecado. Ato de amor.

Mas o que talvez eu nunca tenha parado para reparar é que isso me foi dado de presente e não vai ser tomado de volta nem cancelado – significado de “irrevogável”. Eu posso, embora não queira e nem deva, mas posso desmerecer, não usar, menosprezar, posso até ignorar a existência. Mas é meu, e quem deu não toma de volta.

Pense que salvação é dom de Deus, pense que amor é o dom supremo, tudo que pode ser usado nesta vida para nos assemelhar ao Pai é dom de Deus. Há os dons que nos conduzem aos ministérios (Efésios 4:11) e outros que nos capacitam (1 Corintios 12). O que todos têm em comum? Foram dados por Deus aos homens para edificação, tanto individual como coletiva. Nenhum destes será tomado de volta, cancelado ou anulado. Ainda que alguns se percam na caminhada, Deus não foi o culpado, não foi Ele.

Meu querido, você é alvo do amor de Deus a ponto Dele mandar Seu Filho para morrer em seu lugar. Mais ainda, como não seríamos capazes de tocar a vida sozinhos, nos enviou Seu Espírito Santo e este nos concede capacidades (dons) para vivermos sua vontade. Pode ser que sua vida inspire ou sugira algo diferente, mas isso é momentâneo e não define seu destino. Deus te ama e isso jamais será retirado ou cancelado.

“Pai, muito obrigado por me amar tanto, por me dar tanto, por investir tanto em mim. Te agradeço, especialmente, por tantos presentes que chamamos de dons. Obrigado!”


domingo, 12 de agosto de 2012

Culto de Integração: “Somos um em Cristo”

No dia 04/08 nos reunimos para celebrar o nome do Senhor Jesus, adorando Aquele que vive para sempre! Já no tema do culto “Somos um em Cristo”, percebemos a ênfase na comunhão e a unidade entre os irmãos!

"Assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros." [Romanos 12:5]

Foi um momento marcante de louvor e adoração com o Ministério Hesed (conheça o Ministério) e palavra com o Pr. Cláudio. O texto base para a preleção está em Atos 2:42-47.

“Comunhão, unidade e viver para o próximo são um estilo de vida. Não dá pra pensar em unidade sem temor!”

“O amor não permite que você olhe só para os seus próprios interesses. Temos que olhar para o próximo!”

“Da mesma maneira que o tema ´a volta de Jesus´ não pode sair dos púlpitos, o tema ´unidade´ não pode sair da nossa vida!”

“Como queremos ser igreja se nos esquecemos das necessidades do nosso próximo? Jesus é amor! Deus é amor! O amor faz os nossos olhos se virarem para o outro!”

“Quem vive em amor conhece a necessidade do próximo. Quem vive em comunhão, vive o amor de Deus!” 

Veja fotos do Culto em Galeria de Fotos

Conheça mais sobre a Consolidação em http://consolidacaoadb.blogspot.com.br/.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Transformados Com Glória

Por:  Pr. Olavo Feijó

"Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor." [2 Coríntios 3:18]

Em Gênesis, lemos o potencial humano de viver em comunhão com o Senhor, por causa da "imagem e semelhança" de Deus. O apóstolo Paulo descreve como o poder transformador do Cristo opera a glória de Deus naqueles que O aceitam. "E todos nós, que com a face descoberta contemplamos a glória do Senhor, segundo a Sua imagem estamos sendo transformados com glória cada vez maior, a qual vem do Senhor, que é o Espírito." (II Coríntios 3:18).

A vida cristã não se limita à conversão. Porque a conversão é um começo, ela implica um processo de desenvolvimento. Este desenvolvimento, também chamado de crescimento "de fé em fé, até a estatura do Varão perfeito" é o que possibilita a dinâmica da vida cristã.

No contexto mais amplo da Bíblia, o termo "glória de Deus" indica seu poder, sua intensidade, sua beleza interior, a manifestação amorável dos seus desígnios. Por isso, "os céus proclamam a glória de Deus". Por isso, quando comungamos com a manifestação maior da Sua glória, que é a dádiva de Jesus Cristo, "estamos sendo transformados com glória cada vez maior".

A glória, na sua essência, nada tem a ver com o brilho publicitário, ou com intenso jogo de cena. A glória divina, plenamente manifesta na obra redentora do Filho Unigênito, é o poder que nos transforma em filhos de Deus. Esta é e será nossa glória, até a ressurreição final.

Fonte: devocionais.amoremcristo.com

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Assista Deus Trabalhar

"Moisés, porém, disse ao povo: Não temais; estai quietos, e vede o livramento do SENHOR, que hoje vos fará... O Senhor vai lutar por você, e você deve manter a sua paz e permanecer em repouso." [Êxodo 14:13-14]

Nós temos livre acesso a Deus. Nós podemos ir diante dele a qualquer hora que queremos. Nós não precisamos de um convite especial. A sala do trono está sempre aberta, Deus está sempre em casa, ele nunca está dormindo ou no telefone. Podemos ir corajosamente, esperando nEle para atender a nossa necessidade e fazê-lo de bom grado e alegremente.

Sem dúvida, milhões de pessoas oram, mas a pergunta que queremos responder é: como elas oram? Será que eles oram com expectativa, com ousadia, sem medo, com confiança, agressividade, ou envergonhados, condenados, pedindo apenas o suficiente para sobreviver, e seriamente duvidando se eles sequer vão obter isso?

Você vai! Comece a orar como nunca orou antes. Acredite que Deus quer satisfazer suas necessidades, porque Ele é bom, não necessariamente porque você é bom. Nenhum de nós vivendo em um corpo carnal tem um registro perfeito. Todos nós cometemos erros, e o seu provavelmente não é pior do que qualquer outra pessoa.

Então pare de bater em si mesmo e comece a esperar Deus ser Deus em sua vida. Seja confiante, mesmo quando você não se sente confiante e veja Deus trabalhar!

Ore assim: "Senhor, estou confiante de que Tu és o Deus Todo-Poderoso e que irá trabalhar maravilhas em meu favor. Peço-Te que lutes por mim e me leves à vitória. Amém."

Tradução: Thaisa Sterque / Fonte: From the book "The Confident Woman Devotional: 365 Daily Devotions" by Joyce Meyer. Copyright © 2011 by Joyce Meyer. Published by FaithWords. All rights reserved.

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Suas falhas

“Mas agora se manifestou a justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo para todos os que crêem. Não há distinção, pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus...” [Romanos 3:22]

Talvez a carga mais pesada que tentamos carregar seja a carga dos erros e das falhas. O que você faz com as suas falhas?

Mesmo que você tenha caído, mesmo que você tenha falhado, mesmo que todos os outros o tenham rejeitado, Cristo não o rejeitará.

Salmos 68:19 diz, “Bendito seja o Senhor, Deus, nosso Salvador, que cada dia suporta as nossas cargas”. Cada dia!

Cristo veio em primeiro lugar para aqueles que não têm esperança. Ele vai até aqueles aos quais ninguém mais iria e diz, “Darei a vocês a eternidade”.

Somente você pode entregar as suas preocupações ao Pai. Ninguém mais pode levá-las embora e entregá-las a Deus.

Que melhor maneira de começar o dia do que colocando as suas preocupações aos pés de Jesus?

Por: Max Lucado 

Notas: Traduzido por Cynthia Rosa de Andrade Marques Almeida / Texto original extraído do site www.maxlucado.com

sábado, 23 de junho de 2012

"Eu Sou Jesus"

Por: Pr. Olavo Feijó

"E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões." [Atos dos Apóstolos 9:5]

No caminho de Damasco, um clarão cega os olhos de Saulo de Tarso. E uma voz poderosa identifica o seu nome: “Saulo, Saulo, por que me persegues?” - Atônito, Saulo pergunta: “Quem és Senhor?” – Disse o Senhor: “Eu sou Jesus, a quem tu persegues” (Atos 9:5).

Quando passam por experiências impactantes, as pessoas naturalmente procuram alguma explicação: “foi muito azar”, “foi o destino”, “foi a pressão social”, “foi minha infância”. A necessidade de algo que justifique é tão grande que, mesmo sem muita lógica, estórias sem pé nem cabeça recebem a categoria de explicação oficial.

A Bíblia é muito clara. Quando perguntada, ela responde e assume. Para a Bíblia, “Jesus é tudo, em todos”. Por isso, não é de estranhar a resposta de Mestre à pergunta de Saulo. Ao dizer “Eu sou Jesus”, o Senhor não perde tempo com discussões teológicas. Saulo sabia muito bem que Jesus tinha sido crucificado. Mesmo assim, a resposta foi simples: ”Eu sou Jesus”. Por isso, mesmo hoje em dia, se perguntarmos ao Senhor a razão de nossas experiências impactantes, a resposta será a mesma. Se somos cristãos, a explicação das coisas profundas em nossa vida se encontra em Cristo. “Eu sou Jesus”.

Fonte: devocionais.amoremcristo.com

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Um Novo Coração

Por: Joyce Meyer

"E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra. E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis." [Ezequiel 36: 26-27]

Os versículos acima contém uma promessa de Deus feita a milhares de anos atrás, a promessa de que um dia chegaria em que Ele daria às pessoas um novo coração e colocaria o Seu Espírito dentro deles. Quando Deus falou estas palavras, as pessoas viviam sob a Antiga Aliança, o tempo antes do nascimento, morte e ressurreição de Jesus. Segundo essa Antiga Aliança, o Espírito Santo estava com as pessoas e vinha sobre elas para fins especiais, mas Ele não vivia em seus corações.

Você e eu estamos vivendo na Nova Aliança, no tempo em que Deus falava através do profeta Ezequiel, quando prometeu enviar o Seu Espírito para viver dentro de nós. Ninguém podia nascer de novo e tornar-se uma morada para o Espírito de Deus até que Jesus morreu e ressuscitou dentre os mortos. Agora que Ele chegou, podemos recebê-Lo como Senhor e Salvador e nós podemos receber o Espírito Santo em nossos corações. Quando Ele habita em nós, pode falar conosco, nos permite ouvir a Sua voz, e nos dá poder para obedecer o que Ele nos diz.

Encorajo você a meditar sobre a bênção maravilhosa de ser escolhido como uma casa para Deus. Isso significa que você e Deus estão muito próximos e você pode esperar desfrutar da comunhão maravilhosa com Ele!

A palavra de Deus para você hoje: Você está muito perto de Deus.

Fonte: "Hearing from God Each Morning: 365 Daily Devotions" by Joyce Meyer. Copyright © 2010 by Joyce Meyer. Published by FaithWords. All rights reserved.

domingo, 3 de junho de 2012

Tentação

“E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal, porque teu é o Reino, o poder e a glória para sempre. Amém.” [Mateus 6.13]

O que significa ‘cair em tentação’? Cair em tentação significa sermos levados pelo maligno a agir independente de Deus, e a crermos que o que somos e o que recebemos em Deus não é suficiente. É crer e agir com a convicção de que seremos e teremos algo somente se resolvermos a situação dessa falta com a nossa própria força.

Adão e Eva foram as primeiras pessoas a caírem em tentação. O maligno os levou a crer que poderiam ser como Deus simplesmente se decidissem ser. Segundo Satanás, o resultado de agir por conta própria, comendo o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, os levaria a serem como Deus e a terem o Seu poder. (Veja Gênesis 3).

Cair na tentação é o oposto de viver pela fé. Quando vivemos pela fé vivemos o que somos e o que temos em Deus. Viver pela fé é viver da abundância do que Deus é e do que Ele nos oferece continuamente. Quando caímos em tentação somos enganados e começamos a crer e a agir com a idéia de que, para sermos ou termos algo, nosso esforço é a chave do sucesso. O maligno nos leva a crer que a graça Divina não nos parece suficiente.

A religião é, muitas vezes, a forma mais destrutiva da tentação. Ela muitas vezes nos ensina que podemos ser ou ter algo se produzirmos a nossa identidade e abundância pelas obras religiosas. A religião sempre enfatiza o que não somos e o que não temos. A fé sempre nos diz que tudo o que somos e temos está em Deus.

Jesus foi tentado mais nunca caiu em tentação. Como o ‘último Adão’, ele precisava vencer a tentação no poder do seu Pai (Veja Mateus 4). Diferentemente do primeiro Adão, Jesus nunca fez nada para ser ou ter mais do que aquilo que recebeu de seu Pai. Jesus recebeu a sua identidade e o seu agir do Pai. Assim, ele amou sem parar. Ele nunca pecou porque nunca caiu em tentação. Jesus permaneceu 24 horas por dia e 7 dias por semana no amor de seu Pai. Foi este amor contínuo que não deixou Jesus cair na tentação. Seremos livres da tentação se permanecermos no amor de Jesus, assim como Ele permaneceu no amor de seu Pai.

João 15.9-10: “Como o Pai me amou, assim eu os amei; permaneçam no meu amor. Se vocês obedecerem aos meus mandamentos, permanecerão no meu amor, assim como tenho obedecido aos mandamentos de meu Pai e em seu amor permaneço.”

Nossa libertação da tentação vem quando estamos permanecendo em Cristo 24 x 7. Assim, recebemos a nossa identidade e a nossa riqueza para ser e fazer o que precisamos.

O que a Videira é, eu sou. O que a Videira tem, eu receberei. Este relacionamento sem barreiras com Jesus é o que me permite não cair na tentação e, assim, amar quem eu preciso amar. Jesus em nós é a resposta da oração “E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal.” O que Jesus é, você é. O que Jesus tem, chega a você neste momento e na hora certa. Tenha fé nestes fatos!

Permaneça no amor de Deus em Cristo, 24 x 7 e momento a momento. Deus em Cristo é perfeitamente suficiente!

Por: Carlos McCord (Ministério Permanecer)

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Por que Jesus foi ao casamento?

Por que Jesus, em sua primeira viagem, levou seus seguidores para uma festa? Será que eles não têm trabalho a fazer? Será que ele não tem princípios para ensinar? Não foi limitado o seu tempo? Como poderia um casamento se encaixar com o seu propósito na terra?

Por que Jesus foi o casamento? A resposta? É encontrada no segundo versículo de João 2: "Jesus e seus seguidores também foram convidados para o casamento." Jesus não foi convidado porque ele era uma celebridade. Ele não era ainda. O convite não foi motivado por seus milagres. Ele não tinha executado nenhum ainda.

Por que eles iriam convidá-lo? Suponho que eles gostavam dele.

Grande coisa? Acho que sim. Eu acho que é importante que as pessoas comuns numa cidade pequena gostem de estar com Jesus. Eu acho que é digno de destaque que o Todo-Poderoso não agiu exaltado e poderoso. O Santo não era santarrão. Aquele que sabia tudo não era um sabe-tudo. Aquele que fez as estrelas não mantinha a cabeça nelas. Aquele que possui todas as coisas da terra nunca tolerou isso.

Jesus poderia ter sido tudo isso, mas ele não era. Seu propósito não era para se exibir, mas aparecer. Ele teve um grande esforço para ser tão humano quanto o cara na rua. Ele não precisava estudar, mas ainda assim foi para a sinagoga. Ele não tinha necessidade de ter renda, mas ainda trabalhava na oficina. Ele havia conhecido a comunhão dos anjos e ouvido as harpas do céu, mas ainda ia a festas promovidas por cobradores de impostos. E sobre os seus ombros repousava o desafio de redimir a criação, mas ele ainda teve tempo de andar 90 milhas de Jericó a Cana para ir a um casamento.

Como resultado, as pessoas gostavam dele. Oh, havia aqueles que se aborreciam em suas reivindicações. Eles o chamavam blasfemo, mas nunca o chamaram de fanfarrão. Eles o acusaram de heresia, mas nunca de arrogância. Ele foi marcado como um radical, mas nunca foi chamado de inacessível.

A sua fé fez dele amável, mas não detestável. Será que a nossa faria o mesmo?

Fonte: "When God Whispers Your Name", de Max Lucado / Copyright Thomas Nelson, 1994 /  Tradução: Thaisa Sterque

sábado, 12 de maio de 2012

Uma Coisa

“[...] Apenas uma coisa é necessária. Maria escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada". [Lucas 10:42]

Pobre Marta. Ela estava preparando freneticamente uma comida para o Senhor. Lá estava Jesus, e Maria estava sentada, prestando toda atenção, aos Seus pés, absorvendo cada palavra. Mas ao invés de ficar tocada com a cena, ou se juntar à Maria, Marta ficou zangada. Ela quis que o Senhor repreendesse sua irmã.

Foi aí que Jesus essencialmente falou à ela: “Marta, Marta. Eu aprecio o esforço. Mas há tempo de trabalhar e tempo de adorar. Há hora para sair e fazer as tarefas, e há hora para sentar aos Meus pés. Maria entendeu isso. Porque você não faz o mesmo?”

Essa é uma frase interessante de se acompanhar através da Bíblia: “uma coisa”. Davi usou, no velho testamento, quando disse “Uma coisa pedi ao Senhor, é o que procuro: que eu possa viver na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a bondade do Senhor e buscar sua orientação no seu templo” [Salmos 27:4].

O apóstolo Paulo disse: “Irmãos, não penso que eu mesmo já o tenha alcançado, masuma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus” [Filipenses 3:13-14].

Para Davi, essa uma coisa era amizade com Deus e Seu povo. Para Maria, essa uma coisa era ficar sentada aos pés de Jesus. E para Paulo, essa uma coisa era crescer espiritualmente.

Da mesma forma, devemos estar sentados a Seus pés como Maria. Devemos cultivar amizade com Deus e Seu povo como Davi. Devemos crescer espiritualmente como Paulo. Se não nos focarmos nessa uma coisa, acabaremos fazendo tudo e realizando nada. Podemos gastar dias envolvidos em atividades e nunca alcançar as metas que Deus colocou para nossas vidas.

Fonte: Devocionais Diarios

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Sim, Senhor, eu creio!

"Disse também Deus a Abraão: A Sarai, tua mulher, já não lhe chamarás Sarai, porém Sara. Abençoá-la-ei, e dela te darei um filho: sim, eu a abençoarei, e ela se tornará nações; reis de povos procederão dela." [Gênesis 17.15-16]

Depois que o Senhor deu o novo nome a Abraão, no mesmo capítulo da Bíblia vemos que Ele se ocupa com Sarai. Em outras palavras: "Abraão, sua mulher faz parte da bênção!" Seu nome Sarai já tinha um significado bonito: "Minha princesa". Sara significa "mãe fecunda de povos".

A maravilha é que Abraão e Sara se contentaram unicamente com a Palavra de Deus, sem ver, sem provar, sem sentir e sem experimentar. Essa é a fé que precisamos em nossos dias. Não vemos muito. Sua Palavra, Sua promessa deve ser suficiente para nós. "Sim, Senhor, eu creio!"

Porque Abraão e Sara creram, o Senhor os renovou, e eles puderam ser pai e mãe de muitos povos. O Senhor também quer fazer isso em sua vida! Mas o que você vai fazer com o bonito nome de "cristão" se você não quiser carregar a cruz de Cristo?

Você deve crer na Palavra e levar a sério o discipulado, e então será fecundo e sua vida será multiplicada por milhares.

Fonte: Pérolas Diárias, por Wim Malgo [www.chamada.com.br]

sábado, 21 de abril de 2012

Culto de Integração Especial: 11 anos cumprindo o chamado!

11 anos não são 11 dias ou meses! São 11 anos cumprindo o chamado de Deus! Esse mesmo chamado que nos impulsionou no início, ainda hoje queima em nossos corações! São 11 anos servindo ao Senhor, consolidando aqueles que precisam caminhar firmes, dando a mão, apoio, sustento espiritual e trazendo muitos ao conhecimento da Verdade, que é Cristo! 

Você é nosso convidado para celebrar essa data num Culto de Integração Especial! Hoje, a partir das 18:30h, na Igreja Assembléia de Deus em Bonsucesso. Venha comemorar conosco! Venha celebrar os próximos 11 anos que virão! Toda honra e glória somente ao Senhor, Único Digno!

Informações:
Data: 21/04/2012 (sábado)
Horário: 18:30h
Local: Assembléia de Deus em Bonsucesso, Rua Frei Jaboatão, 44, entre o Hospital Federal de Bonsucesso e a entrada da Linha Amarela.

Louvor com Ministério Hesed
Palavra com Dc. Robson Souza

terça-feira, 10 de abril de 2012

Campanha 30 dias de oração pela Coréia do Norte

“A oração de um justo é poderosa e eficaz.” [Tiago 5:16]

A Coréia do Norte ainda é o lugar mais difícil do mundo para um cristão praticar sua fé. Qualquer atividade religiosa é vista como uma forma de revolta contra os princípios socialistas do governo e contra o culto à personalidade do líder. Apesar das dificuldades enfrentadas, a Igreja continua perseverando neste país.

A Coréia do Norte está há 11 anos em primeiro lugar na lista de Classificação de países por perseguição da Portas Abertas, um recorde desde que a classificação foi criada, em 1994. Nenhum país ficou por tanto tempo ocupando a posição de maior destaque, sendo aquele onde ser cristão custa um alto preço. Considerado hoje o país mais fechado do mundo por suas políticas de isolamento, a Coréia do Norte é um mundo à parte de tudo aquilo que conhecemos, o que gera uma grande dificuldade quando nos propomos a falar de um regime tão restrito e, principalmente, da perseguição à igreja existente ali.

A reveladora e emocionante história de sobrevivência e fuga para a China de uma família cristã norte-coreana, relatada no livro Fuga da Coréia do Norte, de Paul Estabrooks, demonstra quanto a população norte-coreana – principalmente os cristãos – precisa das nossas constantes orações. Além de lidar com as necessidades básicas de sobrevivência em um dos países mais pobres do mundo, os cristãos norte-coreanos são impedidos de professar sua fé abertamente.

Neste livreto, você terá a oportunidade de conhecer mais sobre a história da Coréia do Norte – fundação, política, cultura – e principalmente sobre a Igreja e suas dificuldades. Além disso, estamos convidando você a orar durante 30 dias pelos cristãos norte-coreanos e por sua nação, encorajando outros a fazerem o mesmo.

A Campanha 30 dias de oração pela Coréia do Norte começa no dia 15/04/2012.

Faça download aqui: Livreto de Oração pela Coréia do Norte

Fonte: Portas Abertas

terça-feira, 3 de abril de 2012

Quem Não Trabalhar, Não Coma

Por: Pr. Olavo Feijó

"Porque, quando ainda estávamos convosco, vos mandamos isto, que, se alguém não quiser trabalhar, não coma também". [2 Tessalonicenses 3:10]

A iminência da segunda vinda de Cristo estava conflitando os cristãos de Tessalônica, ao ponto de levar alguns a largar o próprio emprego. O apóstolo Paulo, no meio das suas explicações, declarou: “Quando estávamos aí, demos a seguinte regra – quem não trabalhar, não coma.” (II Tessalonicenses 3:10).

Desde o primeiro século, não faltaram cristãos preocupados com a cronologia do final dos tempos. Como acontece ainda hoje. O grupo habituado a seguir textos fora do contexto, era categórico. ‘Como Cristo vai voltar iminentemente, o bom crente deve abandonar todos os compromissos do seu viver e fiar no templo, orando, jejuando, para receber dignamente o Senhor.’ Com o todo o respeito e amor cristão, o apóstolo discordou desta posição e insistiu que viver a vida diária cristãmente é a melhor maneira de receber o Senhor, na Sua volta.

O famoso texto “quem não trabalhar, não coma” pode ser encarado como uma declaração bíblica sobre o valor intrínseco da instituição do trabalho. A primeira vez que a Bíblia fala de trabalho se encontra logo no princípio de tudo, no Gênesis. O ser humano recebeu, do Criador, a responsabilidade de trabalhar a terra. A ordem não foi: pintar a terra, ou negociar a terra, ou conquistar a terra. Foi, categoricamente, “trabalhar”. Neste grande contexto, faz sentido a palavra de Paulo: trabalhar é a atitude certa, divina, desde o Gênesis, até o Apocalipse. Desde a promessa do Cristo, até Seu reinado final e triunfal. Lembremo-nos que Jesus afirmou: “Meu Pai trabalha até hoje. E eu trabalho também.”

sábado, 17 de março de 2012

O Justo Deus

Por: Pastor Sérgio Fernandes

"O SENHOR é Deus zeloso e vingador; o SENHOR é vingador e cheio de furor; o SENHOR toma vingança contra os seus adversários, e guarda a ira contra os seus inimigos." [Naum 1:2]

Tenho muita preocupação com os rumos da Igreja Brasileira. Gradualmente, temos nos afastado do evangelho bíblico para “um outro evangelho” (Gl 1.6), onde o Senhor Deus é reduzido a um mero gênio da lâmpada que quer realizar nossos sonhos. O retrato bíblico revela um Deus Justo, que é zeloso, vingador e cheio de ira (Na 1.2) contra aqueles que, renunciando a verdade, vivem embriagados com a mentira que há no mundo (Rm 1.19).

Por ser justo, Deus exige uma reparação pelos pecados que a humanidade tem cometido contra Ele. Por causa de sua justiça, o pecado precisava ser punido, e por causa da justiça, Deus aceitou o sacrifício de Cristo como oferta de redenção pelas nossas iniqüidades (Rm 3.25). Este Deus que jamais inocenta o culpado (Na 1.3) puniu Seu Filho na cruz para ter misericórdia de nós e estar em paz conosco (Cl 1.20)

Deus não quer realizar os seus sonhos. Ele quer livrar você da condenação do inferno. Ainda assim você deseja segui-lo?

Fonte: http://devocionais.amoremcristo.com/

quinta-feira, 8 de março de 2012

Examinando Nosso Arrependimento

Por: Thomas Watson*

Se alguém diz que se arrependeu, desejo que examine-se a si mesmo, seriamente, por meio dos sete efeitos do arrependimento delineados pelo apóstolo em 2 Coríntios 7.11.

1. Cuidado. A palavra grega significa uma diligência intensa ou um esquivar-se atento de todas as tentações ao pecado. O homem verdadeiramente arrependido foge do pecado como Moisés fugiu da serpente.

2. Defesa. A palavra grega é apologia. O sentido é este: embora tenhamos muito cuidado, podemos cair no pecado devido à força da tentação. Ora, nesse caso, o crente arrependido não deixa o pecado supurar em sua alma; antes, julga a si mesmo por causa de seu pecado. Derrama lágrimas perante o Senhor. Clama por misericórdia em nome de Cristo e não O deixa, enquanto não obtém o seu perdão. Assim, em sua consciência, ele é defendido da culpa e se torna capaz de criar uma apologia para si mesmo contra Satanás.

3. Indignação. Aquele que se arrepende levanta o seu espírito contra o pecado, assim como o sangue de alguém sobe quando ele vê um indivíduo a quem odeia mortalmente. A indignação significa ficar importunado no coração por causa do pecado. O penitente sente-se inquieto consigo mesmo. Davi chamou a si mesmo de “ignorante” e “irracional” (Sl 73.22). Agradamos mais a Deus quando arrazoamos com nossa alma por conta do pecado.

4. Temor. Um coração sensível é sempre um coração que teme. O penitente sentiu a amargura do pecado. Esta vespa o ferrou, e agora, tendo esperança de que em Deus está reconciliado, ele teme se aproximar novamente do pecado. A alma penitente está cheia de temor. Tem medo de perder o favor de Deus, que é melhor do que a vida, e receia que, por falta de diligência, fique aquém da salvação. A alma penitente teme que, depois de amolecido o seu coração, as águas do arrependimento sejam congeladas, e ela seja endurecida no pecado novamente. “Feliz o homem constante no temor de Deus” (Pv 28.14). Uma pessoa que se arrependeu teme e não peca; uma pessoa que não tem a graça de Deus peca e não teme.

5. Desejo intenso. Assim como o bom tempero estimula o apetite, assim também as ervas amargas do arrependimento estimulam o desejo. O que o penitente deseja? Ele deseja mais poder contra o pecado, bem como ser livre deste. É verdade que ele está livre de Satanás; mas anda como um prisioneiro que escapou da prisão com algemas nas pernas. Ele não pode andar com liberdade e destreza nos caminhos de Deus. Deseja, portanto, que as algemas do pecado sejam removidas. Ele quer ser livre da corrupção. Clama nas mesmas palavras de Paulo: “Quem me livrará do corpo desta morte?” (Rm 7.24). Em resumo, ele deseja estar com Cristo, assim como tudo deseja estar em seu devido lugar.

6. Zelo. Desejo e zelo são colocados lado a lado a fim de mostrar que o verdadeiro desejo se manifesta em esforço zeloso. Oh, como o crente arrependido se estimula nas coisas pertinentes à salvação! Como se empenha para tomar por esforço o reino de Deus (Mt 11.12)! O zelo incita a busca pela glória. Ao se deparar com dificuldades, o zelo é encorajado pela oposição e sobrepuja o perigo. O zelo faz o crente arrependido persistir na tristeza santa mesmo diante de todos os desencorajamentos e oposições. O zelo desprende o crente de si mesmo e leva-o a buscar a glória de Deus. Paulo, antes de sua conversão, era enfurecido contra os santos (At 26.11). Depois da conversão, ele foi considerado louco por amor a Cristo: “As muitas letras te fazem delirar!” (At 26.24). Paulo tinha zelo e não delírio. O zelo causa fervor na vida espiritual, que é como fogo para o sacrifício (Rm 12.11). O zelo é um estímulo para o dever, assim como o temor é um freio para o pecado.

7. Vindita (que é vingança, represália, retaliação). Um crente verdadeiramente arrependido persegue os seus pecados com uma “malignidade” santa. Busca a morte dos pecados como Sansão queria vingar-se dos filisteus pelos seus dois olhos. O crente arrependido age com seus pecados da mesma maneira como os judeus agiram com Cristo. Ele lhes dá fel e vinagre para beberem. Crucifica as suas concupiscências (Gl 5.24). Um verdadeiro filho de Deus busca a ruína daqueles pecados que mais desonram a Deus. Com o pecado, Davi contaminou o seu leito; depois, pelo arrependimento, ele inundou seu leito com lágrimas. Os israelitas pecaram pela idolatria e, posteriormente, viram como desgraça os seus ídolos: “E terás por contaminados a prata que recobre as imagens esculpidas e o ouro que reveste as tuas imagens de fundição” (Is 30.22). As mulheres israelitas que haviam se vestido à moda da época e, por orgulho, tinham abusado do uso de seus espelhos ofereceram-nos depois, tanto por zelo como por vingança, para o serviço do tabernáculo de Deus (Êx 38.8). Com o mesmo sentimento, os mágicos, quando se arrependeram, trouxeram seus livros e, por vindita, queimaram-nos (At 19.19).

Estes são os benditos frutos e resultados do arrependimento. Se os acharmos em nossa alma, chegamos àquele arrependimento do qual nos arrependeremos (2 Co 7.10).

* Nascido em 1620, Thomas Watson estudou em Cambridge (Inglaterra). Em 1646, iniciou um pastorado de dezesseis anos em Londres. Entre suas principais obras, estão o seu famoso Body of Pratical Divinity (Compêndio de Teologia Prática), publicado postumamente em 1692.

Extraído de The Doctrine of Repetance, reimpresso por The Banner of Truth Trust. Traduzido por: Wellington Ferreira. Copyright© Editora FIEL 2009.

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Olhos Para Ver, Ouvidos Para Ouvir

Por: Joyce Meyer

“Mas sim o que nós estamos estabelecendo é a sabedoria de Deus, uma vez oculta [a partir do entendimento humano] e agora revelado a nós por Deus. . . Nenhum dos príncipes deste mundo percebeu, conheceu e compreendeu isso, porque, se tivessem, eles nunca teriam crucificado o Senhor da glória. Mas, ao contrário, como diz a Escritura: O que o olho não viu e o ouvido não ouviu e não subiu ao coração do homem, é [tudo o que] Deus tem preparado (fez e continua pronto) para aqueles que o amam [que O esperam em reverência carinhosa, obedecendo-o prontamente e com gratidão reconhecendo os benefícios que Ele concedeu]. No entanto, para nós Deus revelou e revela por e através do Seu Espírito.” [Coríntios 2:7-10]

Uma coisa costumava me intrigar muito sobre os filhos de Israel. Eles viram os milagres de Moisés. Eles testemunharam as dez pragas que destruíram plantações, animais, e os filhos primogênitos e que nunca tocou a nenhum deles na terra de Gósen. Eles atravessaram o Mar Vermelho e assistiram a divisão das águas e, posteriormente, olharam para trás para verem os egípcios se afogar. Eles experimentaram um milagre após 40 anos.

Eu costumava perguntar: Por que não acreditaram? Eles viram com seus próprios olhos sinais e milagres acontecerem, mas eles permaneceram incrédulos. Com exceção de Josué e Calebe, todos os adultos que assistiram a Deus agir no Egito morreram antes da divisão das águas no rio Jordão. Um dia, ao ler esta passagem, a resposta tornou-se óbvia. Nós não entendemos Deus através dos olhos naturais ou raciocínio humano. Entendemos Deus só quando somos auxiliados pelo Espírito Santo. Os israelitas no deserto viram milagres, mas eles nunca experimentaram Deus. Eles viram os milagres em ação, mas nunca compreenderam o próprio Deus.

Essa é a mensagem que Paulo nos apresenta. Ele diz que Deus tem preparado – àqueles que crêem e obedecem, e Ele "revelou e descortinou” (v. 10) as realidades espirituais através do Espírito Santo. Outra maneira de dizer isto é que enquanto olhamos apenas eventos e fatos, mas não vemos nada por trás deles, não temos olhos para ver e ouvidos para ouvir.

É aí que Satanás trabalha melhor. Ele tenta manter-nos cegos e surdos, para que não reconheçamos o Espírito de Deus em ação. Por exemplo, em um culto de adoração, alguém ora por uma mulher que está com muita dor e ela é curada. Aqueles que têm olhos para ver e ouvidos para ouvir, imediatamente louvam ao Senhor. Aqueles que ainda estão na posse de mentiras astuciosas do diabo dizem: "Ah, foi tudo psicossomático. Não havia nada de errado com ela."

Eu aprendi há muito tempo que não adianta argumentar com os espiritualmente cegos e tentar convencê-los a ver Deus em ação. Até que o Espírito Santo ilumine-os, eles nunca poderão compreender o poder de Deus agindo em vidas humanas. Somente aqueles que foram iluminados pelo poder do Espírito Santo podem verdadeiramente compreender as realidades espirituais. Para aqueles que O amam e acreditam, Deus revela verdades espirituais. Ele assegura àqueles que têm entendimento que o Espírito Santo está em ação. Como age o Espírito em nós, ganhamos poder sobre todos os truques do diabo que tenta nos cegar novamente.

Tradução : Thaísa Sterque | From the book Battlefield of the Mind Devotional by Joyce Meyer. Copyright © 2006 by Joyce Meyer. Published by Warner Faith. All rights reserved.

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Cumpre O Teu Ministério

Por: Pr. Paulo Roberto Barbosa

"Tu, porém, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério". [2 Timóteo 4:5]

Ministério é... dar quando você tiver apenas o suficiente para se manter, orar por outros quando estiver precisando de oração, alimentar ao próximo quando sua alma estiver faminta, sentir a dor dos outros sem falar de sua própria dor, manter sua palavra mesmo quando isso não for fácil, ser fiel quando sua alma suplica que desista.

A maior bênção e a maior felicidade que um cristão pode ter é ser privilegiado por Deus para um determinado ministério. A Palavra de Deus nos diz que "muitos são chamados e poucos escolhidos". E se são poucos os escolhidos por Deus, é uma grande maravilha quando estamos entre eles.

E como temos agido no cumprimento de nossa tarefa? Temos nos aplicado a fazer o melhor ou facilmente murmuramos e desistimos diante do primeiro obstáculo? Procuramos em nosso trabalho satisfazer os nossos próprios interesses ou entendemos que fomos chamados para servir ao próximo e não a nós mesmos? Compreendemos que a nossa recompensa vem diretamente do Senhor ou procuramos recebê-la aqui mesmo, dos homens a quem devíamos exclusivamente servir?

Há muitas pessoas que andam perdidas, sem rumo e sem esperança. Estão feridas, magoadas, aflitas, angustiadas. Clamam por socorro e muitas vezes ninguém as ouve. Deus nos chamou para mostrar-lhes que nem tudo está perdido. Talvez até estejamos passando por situações parecidas, mas a alegria de estender a mão para uma pessoa necessitada encherá nosso coração de paz e satisfação e, certamente, apagará as marcas de nosso próprio sofrimento.

Deus ama a todos os que estão afastados dEle e Seu amor deve estar refletido em nós. E é esse grande amor que nos motiva a colocar nossas vidas em Seu altar e deixar que Ele opere a Sua vontade aqui neste mundo.

Mais abençoados do que aqueles que forem abençoados por você é você mesmo que cumpre o ministério que lhe foi confiado.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

A simples complexidade de Jesus

Por: Matheus Torres

Texto Base: Lucas 5:12-14

Este texto trata de um homem leproso. Um homem com esta doença, naquela época, era excluído da sociedade, vivia na periferia, afastado de todos. Era um homem considerado impuro. O processo de reintegração do mesmo era complexo e longo como pode ser lido em Levítico 14.

Tendo isto em mente, precisamos entender que nenhum homem comum ofereceria ajuda ao leproso. E caso o fizesse, jamais o tocaria. Entretanto, foi o que Jesus fez. Ao oferecer-lhe ajuda, estendeu sua mão, sem exitar.

Jesus ouviu a necessidade daquele homem, compreendeu-a, como o faz com as nossas e quis atendê-la. Contudo, para que seu pedido fosse aceito, o homem leproso precisou ser proativo, este teve que suplicar ao Senhor que o purificasse, se Jesus quisesse. E Ele o quis.

Cristo, sabendo do processo complexo daquela cura para a sociedade e repercussão que aquele milagre teria, ordenou-o que se apresentasse ao sacerdote e oferecesse o sacrifício que Moisés ordenara, para testemunho ao povo. Jesus faz um trabalho por inteiro. Ele trata, inclusive, do desdobramento daquele milagre perante a sociedade, isto é, Ele cuida do amanhã!

O Senhor sabia que a cura da lepra era um processo demorado e complexo para aquela sociedade, portanto não deixou isto para trás. Ele se importava tanto com aquele leproso que teve o cuidado com a sua reintegração com sociedade, para que ele não fosse isolado, nem agisse de forma equivocada devido a ansiedade por retornar ao convívio com os demais.

Seja proativo! Suplique ao Senhor por sua cura! Ele esta disposto e anseia por lhe curar. Jesus o ama tanto, que se importa não somente com sua cura, mas com os desdobramentos deste processo. Cristo se importa com o seu caminhar, o seu dia-a-dia. Esteja disposto a colocar sua vida nas mãos dEle. Ele é o único capaz de transformar um processo de cura complexo em um milagre simples!

Fonte: AD Bonsucesso (www.adbonsucesso.com)

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

As Coisas Pequenas

Por: C.H. Spurgeon

Somos incapazes de realizar o mais humilde ato da vida cristã, se não recebemos de Deus o vigor do Espírito Santo. Com certeza, meus irmãos, é nestas COISAS PEQUENAS que geralmente percebemos, acima de tudo, a nossa fraqueza. Pedro foi capaz de andar sobre a água, mas não pôde suportar a acusação de uma criada. Jó suportou a perda de todas as coisas, porém as palavras censuradoras de seus falsos amigos (embora fossem apenas palavras) fizeram-no falar mais amargamente do que todas as outras aflições juntas. Jonas disse que tinha razão em ficar irado, até à morte, A RESPEITO DE UMA PLANTA.

Você não tem ouvido, com certa freqüência, que homens poderosos, sobreviventes de muitas batalhas, foram mortos por um acidente trivial? John Newton disse: “A graça de Deus é tão necessária para criar no crente a atitude correta diante da quebra de uma louça valiosa como diante da morte de um parente querido”. Estes pequenos vazamentos precisam dos mais cuidadosos tampões. Nas coisas pequenas, bem como nas coisas grandes, o justo tem de viver pela fé!

Crente, você não é suficiente para nada! Sem a graça de Deus, não pode fazer coisa alguma. Nossa força é fraqueza — fraqueza até para as coisas pequenas; fraqueza para as situações fáceis, bem como para as complexas; fraqueza nas gotas de tristeza, como também nos oceanos de aflição. Aprenda bem o que nosso Senhor disse aos seus discípulos: “Sem mim nada podeis fazer” (João 15.5).

Fonte: Editora Fiel

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Guarde Suas Reações

Por: Joyce Meyer

"O que repreende o escarnecedor trará sobre si a afronta, e aquele que censura o ímpio recebe para si hematomas. Não repreendas o escarnecedor, para que não te odeie; repreende um homem sábio, e ele te amará. Dê instrução ao sábio e ele se fará mais sábio." [Provérbios 9:7-9]

Foi estatisticamente provado que 10 por cento das pessoas nunca vão gostar de você, então pare de tentar ter um registro perfeito com todos e comece a celebrar quem você é. Uma pessoa que sabe viver de forma independente, não permite que o humor de outras pessoas altere o dela.

Conta-se a história de um homem religioso que soube viver de forma independente como a pessoa valorizada que Deus o havia criado para ser. Certa noite, ele estava andando pela rua com um amigo, e parou em uma banca para comprar um jornal da tarde. O lojista estava muito amargo, rude e hostil. O religioso tratou-lhe com respeito e foi bastante amável no trato com ele. Ele pagou por seu trabalho, e ele e seu amigo continuaram a caminhar pela rua. O amigo disse para o religioso: "Como você pode ser tão cordial com ele com a forma terrível que ele estava tratando você?" O religioso respondeu: "Ah, ele é sempre age dessa forma. Por que eu deveria deixá-lo determinar como eu vou agir?"

Ore assim: "Senhor, ajuda-me a não permitir que os outros roubem minha alegria e paz através das coisas que eles dizem e fazem. Eu quero ser gentil e cordial, mas não vou deixar o meu humor ser controlado. Amém."

Fonte: "The Confident Woman Devotional: 365 Daily Devotions" by Joyce Meyer.Copyright © 2011 by Joyce Meyer. Published by FaithWords. All rights reserved / Tradução: Thaísa Sterque

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

‎2012 chegou

Por: George Andrade

Como é bom saber que Deus investe pesado em nós! Caminhou conosco em 2011 e nos dá a chance de viver um novo ano com Ele! Se falhamos/acertamos, se O agradamos ou não... Esse não é o pensamento mais importante agora. Pense: se Deus te trouxe até aqui é porque Ele te ama e ainda tem planos para você!

O amor de Deus nos toca, quando ninguém mais quer nos tocar. Se você não conhece um amor incondicional, precisa conhecer o amor de Deus!

Não pense no que passou. Pense no que virá. E esse novo tempo depende inteiramente de como será o seu relacionamento com Deus em 2012!

Se soubéssemos os planos de Deus, ficaríamos estarrecidos! Não iríamos entender, a cabeça daria um nó! Contente-se apenas em saber que você está nos planos de Deus!

2012 está nascendo! Ainda parece informe aos nossos olhos, mas está pronto aos olhos de Deus! Viva-o sem temor! Confie no Deus de amor! Se sua fé sair da caixinha do conformismo habitual, você vai viver um ano diferente! Um ano em que o sobrenatural de Deus vai te surpreender!

2012 chegou! Obrigado, Senhor por me amar e sustentar até aqui! Estarei ao Seu lado com a certeza de que estarás comigo todo tempo!

[Publicado também em http://www.facebook.com/Consolidacaoadb]