Cadastre seu e-mail:

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Guarde Sua Mente, Observe Sua Boca

"Não se aparte da tua boca o livro desta lei; antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme a tudo quanto nele está escrito; porque então farás prosperar o teu caminho, e serás bem sucedido." [Josué 1:8]

Josué estava cercado de inimigos para confrontá-lo em sua jornada. Na realidade, parecia que aquilo nunca teria fim. Mas por favor observe que Josué foi instruído pelo Senhor a manter a Palavra, não o problema, em seus lábios e sua mente.

Como Josué, se você e eu quisermos fazer nosso caminho próspero e sermos bem sucedidos nesta vida, precisamos definitivamente colocar nossos pensamentos e palavras em alguma outra coisa do que no problema que enfrentamos. Precisamos parar de pensar sobre o problema, falar sobre o problema e, às vezes, precisamos até parar de orar sobre o problema. Se temos orado, Deus tem ouvido. Eu não estou dizendo que não há um momento importuno; mas frequentemente dizemos que seguimos com Deus, quando na realidade estamos seguindo com nosso problema.

Em Marcos 11:23 Jesus nos instruiu a falar à montanha. Ele não disse: "Fale sobre a montanha." Se há um propósito em falar sobre isso, então fale. Do contrário, o melhor é manter-se em silêncio sobre isso. Palavras avivam emoções que frequentemente causam aborrecimentos devido ao foco excessivo na circunstância. É valioso sair e fazer algo agradável enquanto você aguarda que Deus resolva o seu problema. Você pode não gostar disso, mas não deixe de fazê-lo. Isso vai te ajudar! Mantenha sua mente— e sua boca—fora do problema!

Tradução: Thaisa / From the book New Day, New You: 365 Devotions for Enjoying Everyday Life by Joyce Meyer. Copyright © 2007 by Joyce Meyer. Published by FaithWords. All rights reserved.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Silêncio inquietante

Estudo comprova que exposição exagerada à TV isola as crianças 

Conversas entre crianças e seus pais diminuem consideravelmente quando uma televisão está ligada por perto, mesmo que os espectadores não prestem lá muita atenção ao que é exibido. A conclusão – que não é nenhuma novidade, aliás – é de um estudo de duas instituições dos Estados Unidos, a Universidade de Washington (EUA) e o Instituto de Pesquisas Infantil de Seattle. Os pesquisadores equiparam 300 crianças entre dois e quatro anos de idade com um gravador, a fim de registrar tudo que elas diziam e ouviam durante um dia inteiro, uma vez por mês, ao longo de dois anos. Depois, um programa analisou as gravações. Para cada hora de televisão ligada, os pesquisadores descobriram que as crianças, em média, ouviram 770 menos palavras de um adulto – uma diminuição significativa em relação ao período em que a tevê permanecia desligada.

“Algumas dessas reduções provavelmente se devem ao fato de que a criança é deixada sozinha diante da televisão”, diz o doutor Dimitri Christakis, coordenador do estudo. “Mas fica claro também que os adultos, apesar de presentes, são distraídos pela tela e não interagem com a criança de forma perceptível”. No entender dos especialistas, a exposição exagerada à televisão nessa idade pode ser associada a retardos de linguagem e deficiências cognitivas, dado o caráter passivo da atividade.

Fonte: cristianismohoje.com.br

terça-feira, 20 de julho de 2010

O Propósito de Deus para conosco

No dia 03/07 realizamos mais um Culto de Integração e o Senhor nos marcou com uma palavra sobre o Seu maravilhoso propósito para as nossas vidas. Não houve quem, naquela noite especial, não fosse tocado pela glória de Deus! Não faltaram lágrimas, gratidão e mãos levantadas ao Deus que nos inclui em Seus planos!

Leia um pouco do que foi ministrado:

“Quando Deus criou o ser humano Ele soprou sobre ele e o mesmo ficou cheio do Espírito Santo. Entretanto, por causa do pecado (desobediência a ordem de Deus), Adão, o primeiro homem, pecou e foi destituído da glória de Deus e conseqüentemente gerou filhos e filhas destituídos da glória de Deus, do Espírito Santo.

Deus sabia que isso poderia acontecer, pois, criara o homem com liberdade de escolha e sabia que ele poderia escolher a desobediência e conseqüentemente a morte. Então, de antemão Deus também preparou o Salvador para entrar em ação caso o homem pecasse. Por causa da morte do Salvador, hoje, a glória de Deus, o Espírito Santo, está sendo RESTITUÍDO aos homens e mulheres que o desejam. Assim como a destituição da glória de Deus aconteceu como fruto da vontade humana, da mesma forma acontece em relação à restituição. Se você deseja ser restituído da glória de Deus, aceite a Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador, pois, em tudo aquilo que Adão falhou, Ele, a nossa semelhança foi fiel; e por causa da sua morte o salário do pecado foi pago. Você foi substituído lá na Cruz. Sem merecer, Jesus Cristo morreu a tua morte, para que, sem merecer, você pudesse herdar a vida dEle. A vida de Cristo é aquela mesma que estava em Adão no Éden... É a Glória de Deus, o Espírito de Deus.”

“Quando aceitamos esta maravilhosa salvação nos tornamos aptos para receber de volta dentro de nós o Maravilhoso e Único Espírito Santo de Deus: João 20:19-23 “Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco! E, dizendo isto, lhes mostrou as mãos e o lado. Alegraram-se, portanto, os discípulos ao verem o Senhor. Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio. E, havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. Se de alguns perdoardes os pecados, são-lhes perdoados; se lhos retiverdes, são retidos.”

“A mesma coisa que o Senhor Deus fez no Jardim do Éden ao criar o homem, o nosso Senhor Jesus faz aqui ao recriar-nos - Ele sopra e diz: “Recebei o Espírito Santo”. E quando recebemos o Espírito Santo em nós, além dele testemunhar ao nosso espírito que somos filhos de Deus, Ele faz com que algumas coisas comecem a acontecer e elas precisam ser desenvolvidas por cada um de nós. Marcos 16:16: “Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado. Estes sinais hão de acompanhar aqueles que crêem: em meu nome, expelirão demônios; falarão novas línguas; pegarão em serpentes; e, se alguma coisa mortífera beberem, não lhes fará mal; se impuserem as mãos sobre enfermos, eles ficarão curados.”

“Então este é o propósito da nossa existência humana - carregar dentro de nós o Maravilhoso Espírito Santo. Nosso corpo é uma lâmpada, nossa autoridade espiritual é o óleo e o Espírito Santo é o Fogo de Deus. Quando tudo isso se ajunta, se torna convergente, nos tornamos luz para nós mesmos e para os que estão nas trevas.”

“Os nossos corpos foram criados com a capacidade de receber e armazenar a Glória de Deus. Isso não tem nada a ver com a nossa teologia, com a maneira que entendemos Deus. Eu estou falando de coisas físicas. A Glória do Senhor é física embora seja invisível. Quando a Glória do Senhor encheu o templo os sacerdotes tiveram que sair, pois Ela encheu o templo, não cabia mais ninguém. A Glória do Senhor se manifestou queimando o sacrifício de Abrão, dos pais de Sansão, de Davi, etc. O vento é invisível, mas você pode senti-lo através do corpo e também ver os seus efeitos ao seu redor. Assim também é a Glória do Senhor: invisível, mas, real e palpável. O nosso corpo foi minuciosamente projetado e construído por Deus para catalizar, armazenar a sua Glória, indiferente da nossa teologia.”

[O texto foi extraído da mensagem “O Propósito de Deus para conosco” do Pr. Antônio Cirilo – Ministério Santa Geração]

domingo, 18 de julho de 2010

Cartilha para combater o crime de troca de voto por Saúde

Você sabe qual é o primeiro passo para combater a corrupção eleitoral? Segundo a cartilha “Voto não tem preço. Saúde é seu direito!”, lançada no plenário do Conselho Nacional de Saúde, em Brasília, quarta-feira, 7 de julho (dia seguinte ao início da campanha eleitoral para presidente, governador, vices, deputados e senadores nas ruas e na internet), é “conhecer os seus direitos”. A publicação, uma iniciativa do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral, pretende esclarecer aos eleitores que serviços de saúde não devem ser trocados por voto, afirmando: “Todo cidadão tem direito a ser atendido com ordem e organização, a ter um atendimento com qualidade, a um tratamento humanizado e sem nenhuma discriminação; Todo cidadão deve ter respeitados os seus direitos de paciente; Todo cidadão também tem deveres na hora de buscar atendimento de saúde, como nunca dar informações erradas sobre seu estado de saúde e tratar os profissionais com respeito; Todos devem cumprir o que diz a Carta dos Direitos dos Usuários da Saúde", disponível no site do Ministério da Saúde.

Para ajudar os cidadãos e cidadãs a identificarem eventuais casos de corrupção eleitoral e combatê-los, a cartilha ensina passo-a-passo como denunciar o crime ao Ministério Público da cidade.

"A Lei 9.840, criada a partir de um projeto de lei de iniciativa popular, promovido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e por outras entidades brasileiras, determina os casos que se enquadram como compra de votos. O Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral nasceu justamente dessa luta, quando um milhão de assinaturas de brasileiros e brasileiras possibilitou a votação e aprovação no Congresso Nacional do projeto de lei de iniciativa popular que originou a Lei 9.840".

Leia e compartilhe em sua igreja a cartilha “Voto não tem preço. Saúde é seu direito!”.

Fonte: Agência Soma

sexta-feira, 16 de julho de 2010

A cultura e a comunicação do evangelho

Por: Florencio de Ataídes

A palavra “cultura” pode ser entendida como costumes, língua e tradições de um povo. Ou seja, é resultado de comportamentos que um grupo herda de seus antepassados, transmitindo-os às gerações seguintes. A cultura não é estática, mas dinâmica, pois novos costumes e valores são assimilados constantemente. Segundo David J. Hesselgrave, “a cultura constantemente se transforma em decorrência das inovações, das pressões internas e dos empréstimos transculturais” (“A Comunicação Transcultural do Evangelho”, p. 86). Essas mudanças não acontecem abruptamente -- são um processo que leva algum tempo.

A cultura pode chocar-se com os conceitos bíblicos, constituindo-se num problema para missionários. O trabalho transcultural requer sensibilidade diante dos costumes e rituais do povo, distinguindo aquilo que é demoníaco e o que é cultural.

Quando o missionário considera a sua cultura superior àquela do povo com o qual está trabalhando, surgem barreiras intransponíveis e os prejuízos são irreparáveis! É preciso ter interesse pela cultura do povo, imergindo nela para compreender e contextualizar a mensagem do evangelho, para que haja uma comunicação adequada e sem prejuízo ao seu conteúdo. O Pacto de Lausanne entende que “o evangelho não pressupõe a superioridade de nenhuma cultura sobre a outra, mas avalia todas as culturas de acordo com o seu critério de verdade e justiça, insistindo nos absolutos morais de cada cultura” (“O Evangelho e a Cultura”, p. 73). O antropólogo Paul G. Hiebert afirma que “por causa do pecado do homem, todas as culturas também possuem estruturas e práticas pecaminosas” (“O Evangelho e a Diversidade das Culturas”, p. 33).

O papel do missionário não é mudar a cultura do povo com o qual está trabalhando, mas levar o evangelho em sua essência, apenas orientando os convertidos e ensinando-lhes o puro evangelho de Jesus Cristo. Essa é a sua tarefa primordial; o resto é trabalho de Deus!

Florencio de Ataídes é pastor da Igreja Presbiteriana Renovada, diretor da Escola de Missões Priscila e Áquila, bacharel em teologia pelo SPR, licenciado em história pela Fatema, pós-graduado em filosofia pela UCG e mestre em missiologia pelo CEM.

Fonte: Ultimato

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Gregos e troianos

Poderia alguém ser puro com balanças desonestas e pesos falsos? (Mq 6.11)

Não dá para colocar na mesma mesa o pecado e a pureza. São coisas diametralmente opostas. Uma repudia a outra.

Aqueles que não querem renunciar totalmente ao gosto pelos prazeres transitórios nem ao ideal de santidade estão numa situação confusa, indeterminada, indefinida, irreverente e, além de tudo, inadmissível. É isso que Miquéias quer demonstrar ao povo de Jerusalém: “Poderia alguém ser puro com balanças desonestas e pesos falsos?”.

Muitas outras perguntas dessa natureza podem ser feitas. Por exemplo: Poderia alguém ser puro com mãos sujas de sangue? Com língua mentirosa? Com olhos adúlteros? Com débitos não saldados? Com coração cheio de ódio?

Outro profeta enfrentou situação semelhante senão mais grave. Em sua época, Israel queria agradar a gregos e troianos, queria garantir o apoio de Deus e de Baal. Então Elias o enfrentou fazendo a seguinte pergunta: “Até quando vocês vão oscilar [ou dançar, ou escorregar, ou coxear, ou claudicar] para um lado e para o outro?” (1 Rs 18.21).

Com o auxílio de Deus não vou capengar entre o bem e o mal. Ficarei de um lado só — o lado certo!

Retirado de Refeições Diárias com os Profetas Menores (Editora Ultimato, 2004).

terça-feira, 13 de julho de 2010

Culto de Integração: “Chamados para remar!”

O dia 19/06/2010 foi marcado pelo Senhor para nos trazer uma palavra de ânimo! Aceitamos Seu convite e nos reunimos mais uma vez para realizarmos o Culto de Integração (A cada encontro torna-se mais especial. O segredo mora na liberdade que damos ao Espírito para se mover no meio de nós e a liturgia tão simples, mas que nos enche de amor pela obra).

Celebramos ao som de canções de júbilo, aplaudimos, levantamos as mãos, fomos guiados para uma adoração sincera e que toca o coração de Deus! Com ousadia clamamos para que o Senhor “abrisse o mar”, para que passemos a pés enxutos. Pedimos também que Ele viesse com o seu amor e nos abraçasse. Aliás, esse momento foi impactante, mas o melhor ainda estava por vir!

Chegou a hora da meditação na Palavra, e o profeta da noite foi o irmão Carlos, que é um dos mais novos integrantes do Ministério da Consolidação. A leitura foi no evangelho de João 6:16-24.

“As vezes ficamos dentro do barco sem bússola e sem direção, em alto mar. Onde está Jesus? Ele está no monte.”

“Apesar de estarmos sozinhos no mar, no meio da escuridão, uma coisa é certa: Jesus virá! Não adianta voltar, pular fora do barco. A verdade é que eu e você fomos chamados para remar! Não devemos nos preocupar, Jesus está vindo!”

“A única coisa que resta para nós é ficarmos dentro do barco e esperar por Jesus. Temos dificuldade de reconhecer que perdemos a direção, mas Jesus está vindo, e somente Ele é o nosso Guia!”


> Veja fotos do Culto de Integração na Galeria de Fotos do blog!

terça-feira, 6 de julho de 2010

“Procuro meus irmãos”

“No final da década de 1950, portanto, no início do meu ministério, eu me encontrava pregando na Alemanha Oriental, certamente um dos países comunistas mais fechados naquela época. E ali estava eu, um holandês, na casa dos 20 anos, pregando numa igreja evangélica.

Quando terminei minha mensagem, o pastor veio sentar-se ao meu lado. Rodeando meus ombros com seu braço, ele começou a lembrar a história de Gênesis 37, onde se conta que José ficou perdido nos campos de Siquém. Quando um homem se aproximou e perguntou-lhe o que estava procurando, José respondeu: “Procuro meus irmãos” (Gn 37:14-16).

O pastor então começou a chorar e, em meio a grande comoção, disse-me: “É exatamente isso que você está fazendo, André. Está procurando seus irmãos”.

O maior interesse de Deus no mundo, hoje, não é a democracia, o capitalismo ou qualquer outro sistema. Deus se interessa pelo Corpo de Cristo, a Igreja, e esse deve ser também o centro do nosso interesse!

Deus está interessado no fortalecimento da Igreja, em prepará-la para a volta de seu Filho, em prover condições pra que a Igreja, mesmo frente a terríveis embates com o inimigo de nossas almas, mantenha firme o testemunho de Jesus. Esse é o nosso grande desafio.

Como membros do Corpo de Cristo, não podemos ficar somente como espectadores. Isso arruína o nosso testemunho e nos torna irrelevantes como Igreja. Tornamo-nos fracos e estéreis, para não dizer mortos!

Minha oração é para que não vivamos mais atrás da cortina de ferro da ignorância. Precisamos procurar continuamente os nossos irmãos, especialmente naqueles países onde ainda não se respiram os ventos da liberdade. É nossa responsabilidade e nossa alegria estar vitalmente unidos à Igreja de Cristo, onde quer que ela exista.

Se falharmos agora, talvez não haja uma nova oportunidade. Vamos dedicar nossas vidas a Jesus e fazer o que nunca fizemos antes. Nossa tarefa ainda não terminou.”

Por: Irmão André, fundador do Ministério Portas Abertas / Fonte: Fanzine Underground, julho/2010

Brasileiros muçulmanos já chegam a um milhão

Faz parte do imaginário popular a ideia de que o povo brasileiro é aberto, acolhedor, livre de preconceitos. Com uma Constituição forte e moderna, pode-se afirmar que no Brasil todos possuem os mesmos direitos e oportunidades, sem distinção de raça, credo ou sexo.

De fato, não há restrições legais para a prática das mais diversas religiões e o preconceito racial, por exemplo, há tempos é punido com rigor.

No entanto, há uma forma sutil de preconceito ou de animosidade que só é perceptível a quem faz parte de determinado grupo e que, na maioria das vezes, não chega a configurar uma violação das leis do país. Em algumas cidades, sobretudo do interior, protestantes e católicos vivem às turras; o mesmo acontece entre cristãos (católicos e protestantes) e espíritas em determinadas localidades e, nesse caso, a rixa é tão grande que não é raro que os envolvidos acabem na delegacia de polícia.

Uma prova para a paz

Pois a tradicional hospitalidade brasileira está para ser posta à prova mais uma vez. Vários veículos de comunicação vêm apontando o avanço do islamismo no Brasil. Em reportagem recente, o jornal francês Le Figaro publicou uma extensa matéria sobre o aumento do número de muçulmanosnas periferias dos grandes centros brasileiros. No ano passado, a revista Época relatou o mesmo fenômeno, mostrando como a religião muçulmana tem feito adeptos, sobretudo junto às comunidades mais pobres, que veem na mensagem islâmica de igualdade racial e justiça uma forma legítima de combater o racismo e a violência policial a que são submetidas com frequência.

Embora não seja possível precisar o número de muçulmanos no Brasil, estima-se que eles já sejam um milhão de fiéis. Conforme indicam os estudos, esse número só tende a crescer e a pergunta que fica é: como será a convivência entre os brasileiros de várias religiões e os brasileiros muçulmanos?

Terroristas de uma hora para outra?

Em países de maioria muçulmana, os adeptos de outras religiões, sobretudo os cristãos, enfrentam muitas dificuldades para professar sua fé com liberdade. No Brasil, qualquer pessoa tem o direito de optar pela religião que quiser, tem o direito de mudar de religião, tem o direito de frequentar o templo que bem entender, tem o direito até de não crer. E isso não é só no papel, já faz parte da cultura do brasileiro.

Mas, é interessante imaginar como seria a convivência entre os grupos, por exemplo, de cristãos pentecostais, tradicionais ou mesmo católicos com os convertidos ao islamismo... Quanto do preconceito enraizado no imaginário coletivo viria à tona e faria com que vizinhos ou colegas de faculdade passassem a ser vistos como terroristas, pelo fato de terem se tornado muçulmanos?

Os brasileiros em geral e os cristãos em particular devem estar preparados para essa nova realidade que se anuncia. Que aqueles que conhecem a salvação em Cristo jamais se desviem do seu chamado original de pregar o evangelho a toda criatura e que haja em cada um o desejo da paz. Afinal, os pacificadores serão chamados filhos de Deus (Mt 5.9).

Por: Cristina Ignácio (Missão Portas Abertas / www.portasabertas.org.br)