Cadastre seu e-mail:

sexta-feira, 16 de julho de 2010

A cultura e a comunicação do evangelho

Por: Florencio de Ataídes

A palavra “cultura” pode ser entendida como costumes, língua e tradições de um povo. Ou seja, é resultado de comportamentos que um grupo herda de seus antepassados, transmitindo-os às gerações seguintes. A cultura não é estática, mas dinâmica, pois novos costumes e valores são assimilados constantemente. Segundo David J. Hesselgrave, “a cultura constantemente se transforma em decorrência das inovações, das pressões internas e dos empréstimos transculturais” (“A Comunicação Transcultural do Evangelho”, p. 86). Essas mudanças não acontecem abruptamente -- são um processo que leva algum tempo.

A cultura pode chocar-se com os conceitos bíblicos, constituindo-se num problema para missionários. O trabalho transcultural requer sensibilidade diante dos costumes e rituais do povo, distinguindo aquilo que é demoníaco e o que é cultural.

Quando o missionário considera a sua cultura superior àquela do povo com o qual está trabalhando, surgem barreiras intransponíveis e os prejuízos são irreparáveis! É preciso ter interesse pela cultura do povo, imergindo nela para compreender e contextualizar a mensagem do evangelho, para que haja uma comunicação adequada e sem prejuízo ao seu conteúdo. O Pacto de Lausanne entende que “o evangelho não pressupõe a superioridade de nenhuma cultura sobre a outra, mas avalia todas as culturas de acordo com o seu critério de verdade e justiça, insistindo nos absolutos morais de cada cultura” (“O Evangelho e a Cultura”, p. 73). O antropólogo Paul G. Hiebert afirma que “por causa do pecado do homem, todas as culturas também possuem estruturas e práticas pecaminosas” (“O Evangelho e a Diversidade das Culturas”, p. 33).

O papel do missionário não é mudar a cultura do povo com o qual está trabalhando, mas levar o evangelho em sua essência, apenas orientando os convertidos e ensinando-lhes o puro evangelho de Jesus Cristo. Essa é a sua tarefa primordial; o resto é trabalho de Deus!

Florencio de Ataídes é pastor da Igreja Presbiteriana Renovada, diretor da Escola de Missões Priscila e Áquila, bacharel em teologia pelo SPR, licenciado em história pela Fatema, pós-graduado em filosofia pela UCG e mestre em missiologia pelo CEM.

Fonte: Ultimato

Nenhum comentário:

Postar um comentário