Cadastre seu e-mail:

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Uma palavra fora de uso

Os neopentecostais aposentaram o advérbio “talvez”. E muitos tradicionais estão fazendo o mesmo. É claro que as promessas de Deus são para valer. A questão é que as promessas de Deus são condicionais e nunca se sabe com certeza absoluta se a pessoa que deseja se apropriar de algum favor divino satisfez plenamente a condição imposta. Deus promete perdão e purificação “se confessarmos os nossos pecados” (1 Jo 1.9). Mesmo que o penitente diga que fez a confissão exigida, alguma coisa ainda fica no ar. E se a confissão dele for de boca para fora? Certamente não será perdoado nem purificado. Resta ainda a questão da soberania de Deus, que precisa ser respeitada. Não posso prometer cura a todo doente que, em nome de Jesus, pede para ser curado, porque “havia muitos leprosos em Israel no tempo de Eliseu, o profeta; todavia, nenhum deles foi purificado — somente Naamã, o sírio” (Lc 4.27).

Promessas não cumpridas são uma desmoralização para o evangelho. Promessas irresponsáveis, mirabolantes, sensacionalistas e vulgares são a escola que forma céticos e ateus, e são muitos os que foram diplomados por ela. Quais são os culpados?

É muito prudente recolocar a palavra “talvez” em nosso vocabulário. Isso não significa falta de fé. Ao contrário, significa humildade e submissão. A freqüência do vocábulo em questão nas Escrituras Sagradas é impressionante.

Daniel disse a Nabucodonosor, rei de Babilônia: “Renuncia a teus pecados [...] e à tua maldade e tem compaixão dos necessitados. Talvez, então, continues a viver em paz” (Dn 4.27). O capitão do navio prestes a naufragar entrou na cabine de Jonas e lhe disse: “Levante-se e clame ao seu deus! Talvez ele tenha piedade de nós e não morramos” (Jn 1.6). Amós apelou a Israel: “Odeiem o mal, amem o bem; estabeleçam a justiça nos tribunais. Talvez o Senhor, o Deus dos Exércitos, tenha misericórdia do remanescente de José” (Am 5.15).

Sofonias fez a mesma exortação de Amós: “Busquem a justiça, busquem a humildade; talvez vocês tenham abrigo no dia da ira do Senhor” (Sf 2.3). Pedro advertiu a Simão, o Mago, aquele que pretendeu comprar com dinheiro o poder de impor as mãos sobre os outros para receberem o Espírito Santo: “Arrependa-se dessa maldade e ore ao Senhor. Talvez ele lhe perdoe tal pensamento do seu coração” (At 8.22).

Vamos ter mais respeito com o santo nome de Deus e usar mais o formidável “talvez” em nossas conversas, em nossos atendimentos e em nossas pregações!

Fonte: Ultimato / www.eusoudecristo.com

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Selo e Penhor

“O qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações.” (2 Coríntios 1:22)

Quando fazemos uma viagem (e eu amo viajar), ao colocarmos nossas malas dentro do ônibus, é comum ser colada uma etiqueta em nossa bagagem, para identificar que ela nos pertence. Isso evita que as bagagens sejam trocadas quando o veículo nos entregar em nosso destino.

Cada um de nós, quando nos convertemos a Jesus, fomos também selados pelo Espírito Santo (Ef 1.13). Esta marca espiritual, deixada em nós pelo Espírito, identifica que somos propriedade de Deus. Ninguém pode mexer em nossa vida sem que nosso dono, permita. Isto é Consolador, pois todas as vezes que identificarmos que o adversário tenta destruir nossa fé, sabemos que o Pai está permitindo essa ação e por certo nos dará todos os recursos que precisamos para vence-lo!

A presença do Espírito é também nosso penhor. Quando ficamos com alguma divida, e precisamos pagá-la, deixamos um penhor para a pessoa, para que esta nos dê o prazo necessário para saldarmos nosso débito e reavermos o que é nosso. Cristo deixou uma promessa, de que viria nos buscar para estarmos com Ele (Jo 14.1-3). Enquanto Ele não a cumpre, Ele nos deixou o Espírito como penhor. Por isso, todas as vezes que sentir o Espírito se movendo dentro de você, é como se Jesus lhe dissesse: "Não me esqueci da promessa! Em breve voltarei para te buscar".

Ele não se esqueceu de você! Deus te abençoe!

Pr. Sérgio Fernandes

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Conhecer a vontade de Deus

Para quem compareceu (ou não) ao último Culto de Integração, dia 03/10, segue o texto-base da mensagem que foi compartilhada. As fotos do Culto já estão disponíveis na nossa Galeria. Acesse!

---

Conhecer a vontade de Deus
O sofrimento nos faz crescer em Deus

“Certamente a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós que somos salvos, poder de Deus.” (1 Co 1:18) “Por que, qual dos homens sabe as coisas do homem senão o seu próprio espírito que nele está? Assim também, as coisas de Deus, ninguém as conhece, senão Espírito de Deus. Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente.”(1 Co 2:11-12) Só o Espírito Santo pode nos fazer conhecer a vontade de Deus, porque Ele conhece a profunda riqueza da sabedoria de Deus, porque Ele está em Deus, é Deus, e habita em nós que somos salvos em Cristo. O que fazer em meio ao sofrimento? Por que sofremos? O que Deus nos ensina através do sofrimento? São perguntas que o homem faz a si mesmo quando passa pela dor, pelo sofrimento.

Porque o nosso Deus não permite que as coisas que nos fazem sofrer aconteçam por acaso. Nunca. E Deus não erra. Nunca. E não falha em seus propósitos. Se sofremos, é porque decidimos que, como Cristo, que pagou o preço, carregou a cruz (que era nossa), aprendeu a obediência pelo sofrimento e tudo resultou para a glória de Deus, nós também confiamos que o nosso sofrer resulta na manifestação da glória de Deus. Hoje em dia poucas pessoas querem pagar o preço. Ou acham que são boas demais para sofrer.

Quem melhor que Jesus em sua perfeição, que sendo Deus, pagou o preço como homem, se fazendo pecador por nós, morrendo na cruz, sendo inocente? Ele era homem, sentia dor física, e com certeza, sofreu por nós. Nos mostrou que a obediência é o caminho para alcançar a vitória. Ele mesmo nos disse que no mundo passaríamos por aflições, mas para termos bom ânimo, pois Ele venceu o mundo - pela sua obediência ao PAI através do sofrimento (Jo 16:33). Jesus foi obediente até o fim. Podemos ver como Ele orou ao PAI, no jardim do Getsêmani. Ele dizia: ”Meu PAI, se possível passa de mim este cálice! Todavia não seja como eu quero, e sim como Tu queres” (Mt 26:39). E ainda: “Meu PAI, se não é possível passar de mim este cálice sem que eu o beba, faça-se a Tua vontade”. (Mt 26:42). A palavra de Deus relata que por três vezes Ele fez essa oração.

E foi obediente, entregando-se por nós, para que o supremo propósito de Deus se cumprisse e nós fossemos salvos pelo seu sangue derramado. Deus tem falado comigo acerca de imaginar o sofrimento pelo que os outros passam, como sendo consigo, e passar realmente pelo sofrimento. Jesus, mesmo sabendo que iria sofrer, não sabia como seria se não sofresse. Ele foi cuspido, esbofeteado, xingado, e passou por tudo calado. Ao orar ao PAI, em agonia, no jardim, Ele imaginava que iria ser doloroso, mas só conheceu a dor, passando por tudo e sendo obediente. Quando enfrentamos situações difíceis, aqueles que nos amam nos dizem: ”Eu posso imaginar o que você esta sentindo”. Eles imaginam, mas não sabem como é... Ao abrir os olhos, sua realidade é diferente. Vem o alívio por que nada do que imaginou aconteceu consigo. É como dizer a uma mãe que perdeu o seu bebê que sabe a dor que ela sente, mas acordar de noite e ver que o seu bebê está no berço, dormindo tranqüilamente. Falhamos muito em consolar pessoas em determinadas situações, porque não passamos por aquilo. Palavras que são ditas e que não deveriam ter saído de nossa boca, um simples abraço transmite muito mais solidariedade.

Mas quando alguém diz: “Eu sei o que você está sentindo, porque já passei por isso”, é totalmente diferente! Olhamos de outra forma para a pessoa, sentimos afinidade com ela, sentimos que ela pode nos ajudar. Creio que é por isso que muitas vezes o SENHOR permite que alguns sofram, para podermos consolar os que sofrem da mesma maneira com que fomos consolados. “É Ele que nos conforta em toda a nossa tribulação, para podermos consolar os que estiverem em qualquer angústia, com a consolação com que nós mesmos somos contemplados por Deus. Porque, assim como os sofrimentos de Cristo se manifestam em grande medida a nosso favor, assim também a nossa consolação transborda por meio de Cristo” (2 Co 1:4-5). Deus é fiel, Ele nos conforta, nos sustenta na tribulação, e não permite que passemos além do que podemos suportar.

Nós temos o consolador, que é o Espírito Santo, que habita em nós e nos revela a Glória de Deus, que se manifestará através do nosso sofrimento. Se “sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus e são chamados segundo o seu propósito” (Rm 8:28), devemos confiar que de alguma maneira nossos sofrimentos resultam para o nosso bem, para um crescimento espiritual, por que fomos chamados por Deus, para sermos por Ele aperfeiçoados e purificados como o ouro mais fino, como que pelo fogo. Aceitemos a vontade de Deus, que é boa, agradável e perfeita em toda a plenitude da sua Graça, para que alcancemos a alegria completa que nos está proposta, pois a palavra diz: ”O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem ao amanhecer” (Sl 30:5b) e ainda: “Os que com lagrimas semeiam, com júbilo ceifarão” (Sl 126:5). Confiemos na palavra do Senhor e nas suas promessas porque está escrito que: “Para Deus, não haverá impossíveis, em todas as suas promessas” (Lc 1:37). A Ele seja a glória para sempre, amém!

Fonte: Rocca Ribeiro (Portal Melodia).

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Bem-vindos ao blog da Consolidação!

Inauguramos hoje uma nova fase na Consolidação! É o aperfeiçoamento do que já criamos um tempo atrás e que agora ressurge de forma excelente! Estamos falando sobre + ferramentas de comunhão, interação e compartilhamento de experiências que vão nos enriquecer e também incentivar aqueles que querem ingressar nessa caminhada!

O Ministério da Consolidação nasceu no ano de 2001 na Assembléia de Deus em Bonsucesso, Rio de Janeiro/RJ, e já passou por muitas mudanças, sempre na busca pela melhor maneira de fazer a obra do Senhor, no cuidado com os novos convertidos.

Centenas de pessoas já passaram pela Consolidação; milhares (isso mesmo!) de cartas já foram postadas; uma soma incontável de telefonemas já foram executados por nossos obreiros e obreiras, sempre com uma palavra amiga da parte de Deus, para consolar corações!

Com certeza poucas pessoas sabem dessas informações!

Se com poucos braços fizemos tantas coisas, como não será ter dezenas (ou centenas) de pessoas trabalhando em prol dessa obra? Ainda temos tanto por fazer, e precisamos de obreiros comprometidos, unidos num só propósito, para que alcancemos mais e mais vidas para o Reino do nosso Senhor Jesus!

Esse será o nosso novo espaço de comunhão!

George Andrade
Líder da Consolidação

...

Bem-vindos ao blog da Consolidação! Aqui serão divulgados os eventos do Ministério, palavras de reflexão, conteúdo especial para aqueles que querem ingressar e/ou formar um grupo em sua igreja, fotos, vídeos, e muito mais!

Consolidação é Missão + Ação!