Cadastre seu e-mail:

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Irreversível

Por: Mário Fernandez

“Porque os dons e a vocação de Deus são irrevogáveis.” [Romanos 11:29]

Deus é tão bom que eu tenho de ficar admirado dentro de mim. Eu não mereço o feijão que como nem a sombra que faço. Sou humano, sou falho, tenho limitações incontáveis e ainda assim Ele me ama, cuida de mim, investe em mim e se dispõe a me usar para Ele. É puramente por amor, pois minha natureza humana é carnal e portanto não serve para Deus. Por isso, Ele me mandou o Seu Espírito Santo que me aperfeiçoa, me ensina, me faz lembrar de tudo quando Jesus ensinou e me convence do meu pecado. Ato de amor.

Mas o que talvez eu nunca tenha parado para reparar é que isso me foi dado de presente e não vai ser tomado de volta nem cancelado – significado de “irrevogável”. Eu posso, embora não queira e nem deva, mas posso desmerecer, não usar, menosprezar, posso até ignorar a existência. Mas é meu, e quem deu não toma de volta.

Pense que salvação é dom de Deus, pense que amor é o dom supremo, tudo que pode ser usado nesta vida para nos assemelhar ao Pai é dom de Deus. Há os dons que nos conduzem aos ministérios (Efésios 4:11) e outros que nos capacitam (1 Corintios 12). O que todos têm em comum? Foram dados por Deus aos homens para edificação, tanto individual como coletiva. Nenhum destes será tomado de volta, cancelado ou anulado. Ainda que alguns se percam na caminhada, Deus não foi o culpado, não foi Ele.

Meu querido, você é alvo do amor de Deus a ponto Dele mandar Seu Filho para morrer em seu lugar. Mais ainda, como não seríamos capazes de tocar a vida sozinhos, nos enviou Seu Espírito Santo e este nos concede capacidades (dons) para vivermos sua vontade. Pode ser que sua vida inspire ou sugira algo diferente, mas isso é momentâneo e não define seu destino. Deus te ama e isso jamais será retirado ou cancelado.

“Pai, muito obrigado por me amar tanto, por me dar tanto, por investir tanto em mim. Te agradeço, especialmente, por tantos presentes que chamamos de dons. Obrigado!”


Nenhum comentário:

Postar um comentário